Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Venezuela bombardeia pista do narcotráfico perto da Colômbia

A aviação venezuelanabombardeou na sexta-feira uma pista de pouso usada portraficantes para trazer cocaína da Colômbia. Há poucas semanas,os Estados Unidos acusaram a Venezuela de se empenhar pouco nocombate às drogas. Um jornalista da Reuters viu dois caças e um helicópterolançando foguetes e disparando rajadas de metralhadora contra apista de pouso. O relatório anual do Departamento de Estado dos EUA sobrenarcóticos, divulgado neste mês, acusa a Venezuela de ser "umimportante país para o trânsito de drogas, com um níveldesenfreado de corrupção". O presidente Hugo Chávez diz que essa avaliação dos EUA éinverídica e se destina a desacreditá-lo. Embora ele se recusea assinar um acordo de cooperação antidrogas com Washington, aVenezuela habitualmente extradita para os EUA colombianosacusados de tráfico. O governo local cita a prisão do traficante colombianoHermágoras González, em 9 de março, como prova de seu progressono combate às drogas. Os EUA ofereciam 5 milhões de dólares porinformações que levassem à sua captura ou morte. Em fevereiro, o corpo de outro importante traficantecolombiano, Wilber Varela, foi achado crivado de balas numhotel Venezuela. A recompensa dos EUA por ele também era de 5milhões de dólares. A Venezuela tem uma extensa fronteira com a Colômbia, maiorprodutor mundial de cocaína. Em 2005, o governo de Chávez, deesquerda, rompeu a cooperação com os EUA, acusando Washingtonde espionagem. O Exército informou que pretende destruir dezenas de pistasclandestinas nos próximos dias. Os locais são usados notrânsito da cocaína para EUA e Europa. (Reportagem adicional de Frank Jack Daniel)

LUIS GUEVARA, REUTERS

28 de março de 2008 | 20h52

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELADROGASCOLOMBIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.