Venezuela cobra imposto para respirar ar condicionado em aeroporto

A Venezuela está aplicando um imposto para respirar ar condicionado ozonizado no principal aeroporto do país, um sistema instalado por razões de segurança, disse na sexta-feira um membro do Conselho Legislativo que validou a tarifa.

REUTERS

12 de julho de 2014 | 14h26

O Aeroporto Internacional de Maiquetia informou que as autoridades locais do Estado costeiro de Vargas, cerca de 49,2 quilômetros do aeroporto de Caracas, iniciou o recolhimento do imposto após a instalação de um "sistema de biossegurança e dutos de ar condicionado ozonizados".

O imposto, o que soma a outros, é de cerca de 127 bolívares, cerca de 20 dólares se calcular 6,30 bolívares por dólar, a menor taxa de câmbio dos três no país produtor de petróleo e com rigoroso controle de cambial.

"Agora em período de testes, o novo sistema começa a implementar o mecanismo para cobrar o imposto", disse à Reuters José Félix Valer, membro da Assembleia Legislativa de Vargas.

O imposto não está incluído no preço do bilhete de avião, disse o deputado do Partido governista Socialista Unido da Venezuela, apesar do custo adicional para o usuário. A tarifa é cancelada quando o passageiro faz o check in na empresa aérea.

Maiquetia é o primeiro aeroporto do país a instalar a tecnologia, disse em comunicado a administração do aeroporto.

O novo imposto é outra pesada carga a ser assumida pelos venezuelanos, em meio a uma massiva suspensão de voos de e para a Venezuela para repatriar lucros devido ao controle do câmbio.

(Reportagem de Deisy Buitrago)

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAIMPOSTORESPIRAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.