Venezuela cumprimenta Santos e acena para retomada de relações

Relações com a Colômbia foram 'congeladas' por Chávez desde agosto passado

Efe,

21 de junho de 2010 | 17h14

CARACAS- O Governo venezuelano cumprimentou nesta segunda-feira, 21, Juan Manuel Santos por ter sido escolhido o novo presidente da Colômbia e manifestou que estará "atento" à possibilidade de criar relações bilaterais com "sinceridade e respeito".

 

Veja também:

linkMockus reconhece que falta de alianças teve peso em derrota para Santos

linkLula cumprimenta Santos o convida para Unasul  

linkEleito com folga, candidato de Uribe promete governo de união na Colômbia

 

Após "parabenizar" Santos, a Chancelaria venezuelana lhe desejou "sucesso no exercício da nova responsabilidade" como presidente.

 

As relações entre Colômbia e Venezuela entraram em crise há meses, principalmente por causa de um acordo militar pelo qual forças americanas podem utilizar sete bases colombianas para combater o narcotráfico e o terrorismo.

 

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que "congelou" em agosto passado as relações com a Colômbia - o que reduziu drasticamente o comércio bilateral - considera o acordo militar uma "ameaça" para a "revolução" bolivariana que lidera há 11 anos.

 

Em seu primeiro discurso após ganhar o segundo turno neste domingo, Santos convidou os Governos do Equador e Venezuela a "abrir caminhos de cooperação para o futuro".

 

Segundo Santos, do governista Partido Social da Unidade Nacional, ou Partido da "U", nas "relações conflituosas", como as que a Colômbia tem atualmente com o Equador e a Venezuela, sempre "há duas alternativas: olhar com amargura para o passado ou abrir caminhos de cooperação rumo ao futuro".

 

 

"Desejo trabalhar de mãos dadas com países vizinhos, desenvolver uma agenda conjunta de cooperação e integração em todas as frentes", disse Santos, que ganhou o segundo turno eleitoral com 69% dos votos frente a 27,5% de seu rival, Antanas Mockus, do Partido Verde.

 

Estados Unidos

 

O governo dos Estados Unidos também cumprimentou Santos por sua vitória, com quem espera continuar a "boa relação" mantida entre os países, e o povo colombiano por haver celebrado eleições "justas e transparentes".

 

"Cumprimentamos o presidente eleito Santos por sua vitória e o povo e o governo da Colômbia por levar à cabo o segundo turno eleitoral de domingo de modo justo e transparente", disse em comunicado o porta-voz do Departamento de Estado, Philip Crowley.

 

Crowley afirmou que além de "eleições pacíficas, transparentes e respeitosas", o debate que antecedeu o processo eleitoral "ilustra o grande compromisso da Colômbia com os princípios democráticos".

 

Perguntado sobre se as relações entre EUA e Colômbia podem mudar de alguma maneira, o porta-voz considerou que elas continuarão sendo boas. "Não antecipamos uma mudança significativa em nossas relações. Estamos muito contentes, é uma cooperação profunda, assim, acredito que haverá continuidade".

 

Quanto ao desejo de Santos de melhorar as relações com a Venezuela, "o desejamos sorte com isso", disse Crowley.

 

Uribe

 

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, recebeu hoje Santos para coordenar a agenda de trabalho de entrega do Governo, em reunião na qual trataram fundamentalmente de assuntos econômicos e relacionados à Justiça.

 

O assessor de imprensa da Presidência, César Mauricio Velázquez, confirmou ao término do encontro que os temas-chave foram os de caráter econômico e, por isso, em boa parte da reunião esteve presente o ministro da Fazenda, Óscar Iván Zuluaga.

 

Também falaram sobre "temas relacionados à Justiça", especialmente de um projeto de lei do atual Governo que procura dar liberdade ao presidente para nomear o procurador-geral. Atualmente, a Corte Suprema de Justiça (CSJ) é a responsável pela nomeação desses cargos.

 

Após saber dos resultados das eleições de ontem, Uribe felicitou Santos por telefone, que foi seu ministro da Defesa, e lhe desejou "muito sucesso" no Governo que assumirá no dia 7 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.