Venezuela diz para 'pararem de sonhar' com morte de Chavez

Aliados do presidente da Venezuela, Hugo Chavez, rejeitaram informações da mídia que afirmam que o político está mais doente do que o governo admite e disseram para os inimigos "pararem de sonhar" com a sua morte.

DANIEL WALLIS, REUTERS

26 de junho de 2011 | 16h33

O líder socialista não é visto em público desde uma operação no dia 10 de junho, em Cuba, para remover um inchaço pélvico. Sua longa ausência gerou especulação generalizada de que ele estaria seriamente doente, possivelmente sendo tratado de câncer de próstata.

O governo venezuelano insiste que Chavez está bem, mas diz que ele não voltará para a Venezuela até estar pronto. E acusou os adversários dele de estarem "esfregando as suas mãos" de alegria.

"O presidente Chavez está se recuperando bem da cirurgia. Os seus inimigos podem parar de sonhar e seus amigos não precisam se preocupar," disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Temir Porras, no Twitter no sábado. "A única coisa que virou metástase é o câncer chamado Miami Herald e o resto da imprensa de extrema direita."

Temir Porras estava fazendo referência ao Nueva Herald, versão do Miami Herald em espanhol, que no sábado publicou reportagem citando fontes anônimas de inteligência dos EUA afirmando que Chavez estava "em condições críticas" em um hospital em Havana.

Uma autoridade sênior do governo dos EUA levantou dúvidas sobre a reportagem, dizendo à Reuters que Washington ouviu muita especulação sobre a saúde de Chavez, mas não tinha informações confiáveis de inteligência. "O fato é que nós não sabemos," disse.

A ausência de Chavez, com 56 anos, um ex-soldado que nacionalizou grande parte da economia, reforça a sua dominância total sobre a política venezuelana e a falta de um sucessor depois de 12 anos no poder.

O vice-presidente Elias Jaua disse que Chavez vai retornar em pouco tempo. "A direita nacional e internacional está indo à loucura, esfregando as mãos em expectativa ... falando até na morte do presidente," ele disse em um discurso, acrescentando que os rivais de Chavez estão abrindo espaço para fascistas anti-democráticos. "Eles sabem que não conseguem ganhar eleições contra o nosso comandante," acrescentou Jaua.

Chavez mandou várias mensagens via Twitter na sexta-feira da sua conta @chavezcandanga, que tem mais de 1,6 milhão de seguidores, mas não comentou sobre sua saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELACHAVEZALIADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.