Venezuela e Colômbia instalam comissões bilaterais e fortalecem laços

Chanceleres se dizem prontos para construir relações 'fortes e estáveis' de confiança

Associated Press

20 de agosto de 2010 | 15h27

 

CARACAS - Venezuela e Colômbia instalaram nesta sexta-feira, 20, cinco comissões bilaterais para ajudar na resolução de vários problemas comuns aos dois vizinhos sul-americanos, como a quitação de dívidas, o combate às guerrilhas e a segurança das fronteiras.

 

Os chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, e sua homóloga, María Angela Holguín, se reuniram na sede do Ministério de Exteriores da Colômbia para estabelecer as comissões especiais, definidas durante uma reunião com o presidentes de seus países no dia 10 de agosto.

 

As cinco equipes trabalharão sobre os seguintes temas: pagamento de dívidas e relançamento das relações comerciais; acordo de complementação econômica; inversão social na zona fronteiriça; desenvolvimento conjunto de infraestruturas; e proteção e segurança das fronteiras.

 

Holguín disse esperar que a medida ajude a criar uma situação onde os países "estejam seguros, onde não haja surpresas nem altos e baixos" e que faça gerar a "confiança e o respeito em relação ao diálogo".

 

Para a chanceler, o objetivo da Colômbia é "dar passos lentos, mas seguros, na direção de uma relação que seja frutífera e na qual um país possa contar com o outro. Ela também disse esperar que as novas relações entre Bogotá e Caracas permita que os habitantes da zona fronteiriça passar "de um pesadelo para um oásis".

 

Maduro também fez votos por uma relação "estável, boa e permanente" com a Colômbia, ao mesmo tempo em que assegurou que as autoridades de ambos os países farão "um grande esforço" para conversar "franca e objetivamente". O chanceler ainda disse que o objetivo das comissões é "preparar uma agenda de temas de cooperação" e apresentá-las aos presidentes Hugo Chávez e Juan Manuel Santos.

 

Além os dois chanceleres, ministros de várias pastas de ambos os países e parlamentares também participaram do encontro desta sexta.

 

O estabelecimento das comissões havia sido acordado por Chávez e Santos na reunião que tiveram há dez dias em Santa Marta, quando também decidiram restabelecer as relações diplomáticas entre seus países, rompidas devido a uma crise diplomática em julho. A crise foi desatada quando Bogotá apresentou supostas provas de que havia líderes guerrilheiros colombianos se refugiando no território venezuelano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.