Venezuela e Colômbia investigam irregularidades em transações comerciais

Países estabeleceram comissões conjuntas para apurar questões econômicas e de fronteiras

Efe

15 de setembro de 2010 | 15h08

CARACAS - O Ministério de Informação da Venezuela informou nesta quarta-feira, 15, que uma comissão do país, em parceria com a Colômbia, analisou em Caracas supostas irregularidades nas transações comerciais entre os dois vizinhos sul-americanos.

 

Um dos pontos averiguados na reunião, que aconteceu na terça-feira, foi o superfaturamento - assim como a solicitação de divisas - por parte de companhias aéreas e empresas, além dos valores e produtos declarados nos pedidos de divisas de ambas as partes.

 

A atividade faz parte da aproximação entre Colômbia e Venezuela, iniciada após reunião do presidente venezuelano, Hugo Chávez, com seu colega colombiano, Juan Manuel Santos, na cidade de Santa Marta, em 10 de agosto.

 

O encontro, que teve o objetivo de restabelecer contatos bilaterais, aconteceu um dia depois de a chanceler colombiana, María Holguín, ter visitado a zona fronteiriça do país com o estado de Táchira, onde ressaltou o "empenho" do seu país em manter boas relações com a Venezuela.

 

"Devemos nos esforçar em uma relação de longo prazo, que não tenha altos e baixos, de respeito e prudência, independentemente de cada país ter concepções distintas nas áreas política e econômica", apontou a chanceler. No fim deste mês, Holguín deve se reunir com seu colega venezuelano, Nicolás Maduro, para dar andamento ao processo de restabelecimento das relações bilaterais.

 

Colômbia e Venezuela compartilham uma fronteira comum de 2.219 quilômetros. Desde que os países restabeleceram seus laços democráticos, após a posse do presidente Juan Manuel Santos, em agosto, Caracas e Bogotá têm trabalhado em conjunto em várias áreas, como na fiscalização das fronteiras e no combate ao narcotráfico e às guerrilhas.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaColômbiaAmérica do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.