Venezuela e Irã assinam acordos industriais e petroquímicos

Está a terceira visita do líder iraniano ao país sul-americano em 13 meses; presidente visa fortalecer parceria

Reuters,

28 de setembro de 2007 | 16h28

A Venezuela e o Irã firmaram três novos acordos na área industrial e petroquímica nesta sexta-feira, 28, durante a breve visita do presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, à Caracas.   Os documentos, assinados na madrugada de sexta-feira, 28, incluem a instalação de nove fábricas de processadoras de milho na Venezuela, o estabelecimento de uma indústria de peças de automóveis e a construção de usinas de metanol em cada um dos países, segundo agência oficial de notícias.   Logo após o encontro com o presidente Hugo Chávez, na madrugada desta sexta-feira, 28, Ahmadinejad partiu com destino à Teerã. Esta foi sua terceira visita ao país sul-americano nos últimos 13 meses.   Aliança   Venezuela e Irã já assinaram mais de 30 acordos que permitem à Teerã construir veículos e tratores no país sul-americano e participar do processo de certificação de reservas de petróleo na Petrolífera Faj do Orinoco.   O presidente Hugo Chávez mantém estreitas relações com o país e com os outros nove integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), como parte de uma política para fortalecer o cartel.   "Nós juntos seguramente apoiaremos a todos os povos oprimidos e seguiremos resistindo até o fim ante ao imperialismo", disse Chávez na quinta-feira, 27.   "O imperialismo não tem opção: tem que respeitar os povos ou aceitar a derrota", afirmou o presidente iraniano, também na quinta.   O governo venezuelano defende o direito do Irã de desenvolver um programa nuclear com fins pacíficos, o que vários países, incluindo os Estados Unidos, acreditam ser uma fachada para a produção de armas nucleares.   Viagem   Ahmadinejad chegou à Caracas na quinta-feira, 27, logo após uma visita à Bolívia. O presidente agradeceu a calorosa recepção e elogiou o colega venezuelano, qualificando-o como "o grande revolucionário da América Latina".   "A Venezuela toda aplaude sua valentia e coragem", afirmou Chávez ao cumprimentar o governante iraniano por seu discurso na Assembléia-Geral da ONU e por suportar fortes críticas durante visita à Universidade de Columbia.   A comunidade judaica da Venezuela - uma das maiores da América Latina e onde vivem muitos sobreviventes do Holocausto - expressou, na quarta-feira, 26, seu repudio pela presença do líder iraniano, que defendeu repetidas vezes a aniquilação de Israel e negou o Holocausto.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.