Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Reuters/Palácio de Miraflores
Reuters/Palácio de Miraflores

Venezuela exportará 80.000 barris de petróleo ao dia para a Bielorrusia

Acordo permite entrada da Venezuela no mercado europeu e reduz dependência dos EUA

Reuters,

15 de março de 2010 | 22h25

A Venezuela, maior exportadora de petróleo da América do Sul, exportará 80.000 barris por dia (bpd) de petróleo à Bielorussia, informou nesta segunda-feira, 15, o presidente Hugo Chávez, em um esforço para estreitar os laços políticos e comerciais entre os países aliados.

 

Veja também:

linkPartido de Chávez nega criação de lei para restringir internet

linkChávez adverte Espanha a não prejudicar relações com Venezuela

 

Chávez anunciou o acordo após se reunir com o presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, que está em visita oficial à Venezuela até terça-feira para dar um novo impulso às relações bilaterais entre os dois países.

 

"Concordamos em começar enviando 80.000 barris, a partir de 1º de maio, de petróleo venezuelano a Bielorussia", disse o venezuelano, que acrescentou que a exportação o permitirá entrar no mercado europeu, onde eventualmente poderia vender derivados de petróleo por meio de empresas mistas binacionais.

 

Este convênio ajudaria a Bielorussia, que depende da Rússia para seu fornecimento energético, a diversificar suas fontes de abastecimento. A Venezuela, por sua vez, avançaria em seus esforçor para reduzir a dependência comercial dos Estados Unidos, seu principal importador de petróleo.

 

As petroleiras estatais dos dois países já trabalham conjuntamente na Venezuela, apesar de sua produção ser inferior a 20.000 bpd.

 

Durante sua visita, Lukashenko também firmará acordos para incrementar a cooperação em outras áreas, como a indústria.

 

"Estamos concluindo a construção da fábrica de tratores, a de caminhões, a de materiais de construção, e vamos criar uma potente casa comercial bielorrussa para comercializar as mercadorias de nosso país na Venezuela e na América Latina", disse o presidente europeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.