Venezuela fornece munição para as Farc, diz jornal

Acusações se baseiam em dados obtidos pelo serviço de inteligência colombiano e no testemunho de desertores

Efe,

21 de janeiro de 2008 | 15h54

A Venezuela fornece de maneira regular munição para os cerca de 15 mil fuzis das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN), segundo fontes do serviço de espionagem da Colômbia citadas pelo jornal El Nuevo Herald.  Veja também:França pede a Uribe que não descarte ajuda para libertar refénsFarc negam autorização para Cruz Vermelha tratar de reféns ELN entrega nove seqüestrados à Cruz Vermelha na Colômbia Especial Farc Cronologia: do seqüestro à libertação As acusações se baseiam nos dados reunidos pelos serviços de inteligência da Colômbia através do confisco de armas e munição dos guerrilheiros nas regiões do nordeste do país, na fronteira com a Venezuela, e no testemunho de guerrilheiros desertores. A reportagem do Nuevo Herald indica que as fontes colombianas desconhecem se o fornecimento de munição se deve a uma decisão de Estado do presidente venezuelano, Hugo Chávez, ou a práticas de corrupção de oficiais das forças militares e da Polícia da Venezuela. O fornecimento de munição pela Venezuela foi confirmado por mais de dez membros das Farc de um grupo de 95 desertores. A munição de calibre 7.62 de 39 milímetros do AK-47 é fabricada na estatal Companhia Anônima Venezuelana de Indústrias Militares (Cavim), que é a única fábrica na América do Sul que produz esse tipo de armamento.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcHugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.