Venezuela garante transparência em eleições legislativas de domingo

Governo não convocou órgãos internacionais para monitorar pleito, gerando suspeitas de fraude

REUTERS

23 de setembro de 2010 | 18h36

As autoridades eleitorais da Venezuela minimizaram nesta quinta-feira, 23, acusações de fraude e garantiram transparência nas eleições legislativas marcadas para domingo, vistas como cruciais para medir o apoio ao presidente Hugo Chávez.

Veja também:

linkChávez diz que vai 'nocautear' a oposição nas eleições de domingo

especialInfográfico: Raio X das eleições na Venezuela

O governo não convidou organismos internacionais, como a Organização dos Estados Americanos (OEA) ou a União Europeia, para observar as eleições, o que levantou suspeitas de parte de setores da oposição, que advertiram sobre possível fraude.

"Podem ter certeza de que o sistema eleitoral venezuelano --para não pecar de falsa modéstia-- é o mais seguro do hemisfério e não seria exagero dizer que é o mais seguro do mundo", disse a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena.

"Temos certeza de que a vontade popular se confirmará de forma cristalina com os resultados que vamos anunciar ao final da jornada de votação", acrescentou Lucena em reunião com cerca de 150 observadores eleitorais estrangeiros.

Observadores participaram nesta quinta-feira de um seminário no qual receberam informações sobre o sistema automatizado de votos no país.

Uma das autoridades do poder eleitoral venezuelano disse esta semana à Reuters que o sistema de votação da Venezuela é do século 21, mas que o controle da campanha é do século 19, ante críticas sobre a transparência do processo.

Por outro lado, um observador estrangeiro comentou que espera poder ter "liberdade" para transitar nos diferentes distritos eleitorais.

"Se não há liberdade para transitar, se apenas recebemos instruções, (então) é uma forma de restringir", declarou à Reuters o presidente do Conselho Eleitoral Provisional (CEP) do Haiti, Gaillot Dorsainvil.

Um outro observador internacional, que preferiu o anonimato, fez, entretanto, uma dura crítica: "O governo de Chávez e todos os órgãos e poderes que o formam não dão garantias para eleições transparentes."

A oposição não participou das eleições legislativas de 2005 depois de denunciar vantagens oficiais, o que levou os partidários de Chávez a ficar com o controle da Assembleia Nacional com uma participação de apenas 25 % do eleitorado.

Neste ano está prevista a participação de 70% dos 17,7 milhões de eleitores convocados.

O secretário geral da OEA, José Miguel Insulza, disse na quarta-feira que não tinha nenhuma preocupação com a forma como vem sendo conduzida a eleição venezuelana.

(Reportagem de Diego Oré)

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaeleiçõesHugo ChávezPSUV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.