Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Venezuela inicia esforços para que Farc libertem mais 3 reféns

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez,dará início imediatamente a esforços de mediação para garantira libertação dos três ex-congressistas colombianos que aguerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)prometeram entregar a Chávez, afirmou no domingo o governovenezuelano. As Farc, maior grupo guerrilheiro da Colômbia, anunciaramno sábado que entregariam a Chávez os políticos Gloria Polanco,Luis Eladio Pérez e Orlando Beltrán Cuéllar. "Sob o comando de Hugo Chávez, nosso governo realizará, apartir deste momento, os contatos e as ações necessários a fimde garantir as condições para essa nova vitória da liberdade eda esperança de paz", afirmou o governo venezuelano em umcomunicado divulgado no domingo à noite. A Venezuela pediu à Colômbia que contribua para essesesforços e que evite adotar qualquer medida capaz de impedir aoperação. "A Venezuela convoca o governo da Colômbia para quecontribua com esse objetivo louvável e para que vete qualquermanobra que os inimigos da paz possam adotar, dificultando alibertação dos reféns e, ao mesmo tempo, colocando em perigo avida de pessoas inocentes", acrescentou o governo venezuelano. A Colômbia, de outro lado, tinha dito horas antes querealizaria todo o possível para que os ex-parlamentares fossemlibertados. O governo da Venezuela descreveu como um gesto de boavontade a decisão das Farc e manifestou seu agradecimento pelofato de o grupo guerrilheiro considerá-lo um interlocutor"confiável e respeitável". As Farc não fixaram uma data para a libertação. Os guerrilheiros soltaram, no começo de janeiro, em umaregião de selva da Colômbia, as políticas Clara Rojas eConsuelo González, em uma missão organizada por Chávez e daqual participou a senadora Piedad Córdoba. Uribe, principal aliado dos EUA na América Latina,suspendeu em novembro os esforços de mediação realizados porChávez com o objetivo de que fossem trocados 40 refénspolíticos mantidos pelas Farc por cerca de 500 rebeldes presos. As relações da Colômbia com a Venezuela entraram em umperíodo de crise após o anúncio do governo colombiano. As Farc mantêm reféns 44 pessoas, entre as quais aex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt, decidadania franco-colombiana, e três norte-americanos. (Por Deisy Buitrago, com reportagem adicional de Frank JackDaniels)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.