Reprodução/El Nacional
Reprodução/El Nacional

Venezuela investiga jornal que publicou foto de cadáveres em necrotério

Foto usada para ilustrar aumento da criminalidade violaria direito de crianças e adolescentes

AP,

14 de agosto de 2010 | 21h06

CARACAS- A Procuradoria Geral da Venezuela anunciou neste sábado, 14, que um dos principais jornais venezuelanos está sendo investigado judicialmente após a publicação de uma foto com uma pilha de cadáveres no necrotério da capital do país.

 

O Ministério Publico afirmou em um comunicado que a medida foi adotada após o grupo ativista Frente de Estudantes Contra a Privatização da Universidade Central da Venezuela - visto como simpatizante do governo do presidente Hugo Chávez - fez o pedido da investigação no sábado.

 

"Segundo os denunciantes, a publicação desta imagem, em tamanho grande, viola o direito à integridade moral e psicológica das crianças e adolescentes, assim como a receber informação adequada a sua formação integral", disse a Procuradoria na nota.

 

A denúncia foi feita um dia depois que o chefe do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas, (CICPC), Wilmer Flores Trosel, rechaçou a imagem publicada na sexta pelo diário El Nacional na primeira página, que mostra 12 cadáveres de homens aglomerados em uma sala do necrotério de Caracas.

 

O periódico, forte crítico do governo, utilizou a foto para ilustrar uma reportagem sobre a crescente criminalidade no país. Segundo o jornal, a imagem é de dezembro passado.

 

Miguel Henrique Otero, editor do El Nacional, admitiu que "a foto é forte, mas é disso que precisamos, que haja denúncias como essa para que o governo reaja". "Na Venezuela, há uma realidade terrível que nós apresentamos", acrescentou.

 

O índice de criminalidade no país se tornou cada vez mais alarmante. De acordo com cifras oficiais, ocorreram 12.257 homicídios nos 11 primeiros meses de 2009, o que faz da Venezuela um dos países mais violentos da América Latina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.