AP Photo/Alejandro Cegarra
AP Photo/Alejandro Cegarra

Venezuela libera cinco políticos presos

Chanceler Delcy Rodríguez confirma ao 'Estado' que medida é 'sinal' de compromisso com diálogo; segundo ONGs venezuelanas, antes das liberações pelo menos 114 políticos estavam presos no país

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S. Paulo

01 de novembro de 2016 | 06h50

GENEBRA - A decisão da Venezuela de liberar cinco políticos presos entre a noite de segunda-feira e a manhã desta terça, 1º, é um "sinal de compromisso" com o diálogo. A declaração foi feita pela chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, em entrevista ao Estado

Os políticos opositores libertados são Andrés Moreno, Marco Trejo, Carlos Melo, Carlos Ocariz e Ángel Coromoto Rodríguez. A iniciativa foi tomada no mesmo dia em que governo e oposição iniciaram reuniões para tentarem chegar a uma mesa de negociações.

"Instalamos a primeira sessão do diálogo entre oposição e o governo", disse a chanceler, que está em Genebra para responder na ONU a acusações de violações a direitos humanos no país caribenho. 

"Isso é muito importante. Foi uma iniciativa do presidente Nicolás Maduro e conta com acompanhamento da Unasul e com a Santa Sé", explicou, sobre o encontro que oposição e governo mantiveram no início da semana. "Foi uma reunião muito importante, com um clima construtivo, de respeito."

Segundo Delcy, quatro eixos temáticos foram estabelecidos para permitir uma aproximação. "Já iniciamos nossos trabalhos", garantiu. "Essa iniciativa de diálogo faz parte de nosso compromisso de Maduro de defender os direitos humanos, o direito à paz e o povo venezuelano, um direito ao futuro", insistiu. 

Questionada se a liberação dos prisioneiros era parte de um compromisso com o diálogo, ela confirmou. "Sim, confirma". ONGs do país, porém, alertam que antes da liberação dos prisioneiros, 114 pessoas estavam detidas por seus posicionamentos políticos.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUUnasulNicolás MaduroVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.