Venezuela liberta executivos de rede de farmácias acusados de boicote

Um tribunal venezuelano ordenou a libertação de dois diretores da conhecida rede de farmácias Farmatodo, presos desde fevereiro acusados de tentar desestabilizar o governo de Nicolás Maduro ao provocarem longas filas para a venda de artigos de primeira necessidade.

REUTERS

21 Março 2015 | 15h34

Pedro Angarita e Agustín Álvarez, presidente-executivo e vice-presidente de operações da Farmatodo, receberam liberdade condicional e devem apresentar-se à Justiça a cada 15 dias enquanto prosseguir o processo judicial, disse à Reuters um porta-voz da empresa neste sábado.

O presidente Maduro anunciou a detenção dos dois executivos em fevereiro depois de acusá-los de fazer parte de uma "guerra econômica" que busca desgastar sua popularidade.

A Procuradoria venezuelana os acusou, poucos dias depois, de um suposto boicote e desestabilização econômica.

Além de medicamentos, a Farmatodo comercializa artigos de cuidado pessoal e alimentos em 147 lojas que opera na maioria dos Estados do país. Desde 2009, tem também presença na Colômbia.

Outros executivos de empresas são mantidos presos no país, acusados pelo governo de acumular bens de primeira necessidade para irritar consumidores, em uma economia que entrou em recessão no ano passado e que registra elevada inflação e escassez de produtos.

(Por Corina Pons e Eyanir Chinea)

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELAFARMACIASLIBERDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.