Venezuela nega ter reforçado presença militar na fronteira com a Colômbia

Segundo comunicado do governo, número de tropas na região é o mesmo após rompimento de relações

Reuters,

27 de julho de 2010 | 21h30

CARACAS- A Venezuela negou nesta terça-feira, 27, ter reforçado a presença militar na fronteira com a Colômbia, contrariando um comunicado anterior do Exército sobre o envio de mais 1.000 soldados da Guarda Nacional a dois estados fronteiriços.

 

Veja também:

linkÁlvaro Uribe rejeita proposta de paz com guerrilhas colombianas

linkColômbia participará da reunião da Unasul sobre crise com Venezuela

linkArgentina e Colômbia concordam em trabalhar pela região

linkArgentina se consolida como mediadora do conflito

mais imagens Galeria: provas mostradas pela Colômbia na OEA

lista Histórico de tensões entre os dois países

 

Na segunda-feira, o general Franklin Marquez, comandante regional da Guarda Nacional, disse a jornalistas que cerca de 1.000 integrantes dessa força chegaram durante o fim de semana ao longo dos 2.200 km de extensão da fronteira.

 

Nesta terça, no entanto, um comunicado do governo cita que o general negou tal mobilização na fronteira. "Não houve nenhum tipo de reforço, nenhuma contingência militar, e nosso pessoal é o mesmo que tem trabalhado conosco durante o ano todo", disse o general, segundo a mensagem do governo.

 

O presidente Hugo Chávez rompeu as relações diplomáticas com a Colômbia após o governo do presidente de Álvaro Uribe ter denunciado na OEA a presença de guerrilheiros colombianos em território venezuelano.

 

O governo da Venezuela afirmou nesta terça que apresentará um plano de paz para a Colômbia na Unasul, mas o país vizinho rechaçou qualquer sugestão de conversações com as guerrilhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.