Venezuela oferece retirada gratuita de implantes suspeitos

A Venezuela ofereceu a remoção gratuita de implantes mamários fabricados por uma empresa francesa que utilizava silicone industrial para preencher as práticas e que apresentam riscos à saúde.

REUTERS

28 de dezembro de 2011 | 08h09

Os implantes foram fabricados pela Poly Implant Prothese (PIP), que fechou em 2010, e aparentemente teve uma maior taxa de ruptura do que o normal, levando as autoridades francesas a incentivar as mulheres que retirem os implantes.

Dezenas de milhares de implantes foram usados ??na América Latina, onde a demanda por cirurgia estética é alta e cresce o temor pela situação.

A ministra da Saúde da Venezuela, Eugenia Sader, disse à agência de notícias estatal AVN que os pacientes podem ir a um hospital para verificar e remover os implantes gratuitamente, mas ressaltou que a prótese não será substituída.

Ela disse que um grande número de implantes da PIP entrou na Venezuela ilegalmente, pondo em risco as pacientes.

A França está investigando uma possível ligação entre diagnósticos de câncer pelo gel usado nos implantes PIP, mas até agora não há evidências de uma relação.

(Por Deisy Buitrago e Daniel Wallis)

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELASILICONERETIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.