Mariana Bazo/Reuters
Mariana Bazo/Reuters

Venezuela rechaça relatório sobre dependência da Justiça

Para procuradora, informe da Human Rights Watch seria inválido por se basear em informações da imprensa

Efe,

22 de janeiro de 2010 | 20h40

A Procuradoria da Venezuela rechaçou nesta sexta-feira, 22 um relatório recente da organização Human Rights Watch (HRW) que sinaliza a subordinação do sistema judicial venezuelano ao poder Executivo.

 

Veja também:

linkChávez obriga TVs a cabo a transmitir discursos em rede

 

A procuradora-geral Luisa Ortega disse à Rádio Nacional da Venezuela que esse informe "não tem valor" porque está baseado em "informações tiradas da imprensa" e não em investigações ou "estudos científicos".

 

O relatório da HRW indica que "o governo de Chávez conseguiu, na prática, neutralizar o poder judicial como um poder independente do governo".

 

Ortega opinou que a HRW perdeu a seriedade ao atacar de forma frequente países que se negam a subordinar suas políticas aos Estados Unidos.

 

A fiscal acrescentou que a organização incorre em importantes contradições e mencionou que, de um lado, a HRW reconhece a existência de pessoas "acusadas de corrupção", mas por outro as classifica como "perseguidos políticos".

 

Ortega também afirmou que a organização põe em questão a existência de liberdade de expressão na Venezuela, mas ao mesmo tempo reconhece que "existe um dinâmico debate público, no qual os opositores e apoiadores do governo podem igualmente fazer ouvir suas críticas e seu apoio ao (presidente Hugo) Chávez". A fiscal lamentou a omissão do relatório em relação aos avanços da Venezuela contra o narcotráfico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.