Reprodução/El Nacional
Reprodução/El Nacional

Venezuela revoga parcialmente medida que proibiu informar sobre violência

Segundo Justiça, decisão continua valendo para apenas um jornal; imprensa venezuelana nega

Efe,

19 de agosto de 2010 | 22h08

CARACAS- O Tribunal venezuelano que proibiu dois jornais de publicar durante um mês "fotos, informações e publicidade" sobre violência e pediu que os outros veículos impressos do país se "abstivessem" de fazê-lo revogou nesta quinta-feira, 19, essa polêmica decisão de forma "parcial".

 

Veja também:

linkBanqueiro foragido faz denúncia contra a Venezuela

linkChávez muda regras para empresas de comunicação

linkMídia não influencia violência urbana, indica pesquisa

linkJornais de Caracas denunciam censura

 

O Tribunal 12 de Mediação de Caracas "deixou sem efeito" a medida preventiva que tinha tomado na terça-feira passada "no que se refere a todos os meios impressos", mas a manteve para o diário Tal Cual, de Caracas, anunciou o representante legal da Defensoria Pública, Larry Davoe.

 

O editor do jornal El Nacional, Miguel Henrique Otero, garantiu em entrevista à veículos privados que a proibição continua para todas as publicações, o que "viola a Constituição e o direito à liberdade de expressão".

 

A Defensoria processou os jornais El Nacional e Tal Cual, ambos críticos ao governo, por publicar na primeira página uma foto de cadáveres ensanguentados, nus ou seminus, amontoados em macas e no chão do necrotério de Caracas. As publicações usaram a fotografia para ilustrar reportagens sobre o aumento da criminalidade no país.

 

Essa imagem, argumentou o organismo público, atentava "contra os direitos" dos menores de idade "e especialmente contra seu desenvolvimento progressivo e integral".

 

Segundo Davoe, o Tal Cual continua "ignorando a rejeição pública e publicou novamente a foto na segunda-feira".

 

A medida judicial foi considerada como "censura prévia" por diversas organizações dentro e fora da Venezuela, entre elas a ONU e a Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

 

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse ontem que a publicação da polêmica foto dos corpos faria parte da "conspiração" de setores da oposição contra seu governo, como parte de sua campanha para as eleições legislativas de setembro.

 

O índice de criminalidade no país se torna cada vez mais alarmante. De acordo com cifras oficiais, ocorreram 12.257 homicídios nos primeiros onze meses de 2009, colocando a Venezuela entre os países mais violentos da América Latina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.