Venezuela terá reator nuclear para fins pacíficos, diz Chávez

Presidente venezuelano afirma que Caracas vai desenvolver cooperação nuclear com Moscou

Reuters,

29 de setembro de 2008 | 11h59

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou que seu país terá um reator nuclear para fins pacíficos, dias depois de a Rússia informar sobre sua intenção de ajudar o país sul-americano nesse tema. Em um ato público perante milhares de simpatizantes, no domingo, 28, Chávez louvou a valentia e coragem de Moscou em apoiar a Venezuela. Na semana passada, ele esteve na China, na Rússia, na França e em Portugal. "Nós na Venezuela estamos interessados em desenvolver a energia nuclear, claro, para fins pacíficos , com fins médicos, com fins de geração de eletricidade. O Brasil tem energia nuclear", disse Chávez. Ele disse que um reator que a Venezuela possuía foi abandonado em governos anteriores devido a pressões dos EUA. "O Brasil tem vários reatores nucleares, a Argentina também", insistiu. "Nós teremos o nosso, e Vladimir (Putin, premiê russo) disse isso lá, diante da imprensa: a Rússia está pronta para apoiar a Venezuela no desenvolvimento da energia nuclear com fins pacíficos, e já temos uma comissão trabalhando a respeito". Chávez não entrou em detalhes sobre a localização e os prazos para o funcionamento do reator. Disse, entretanto, que ele e o presidente russo, Dmitry Medvedev, decidiram na sexta-feira preparar um acordo energético que aproximaria Moscou da principal voz de oposição aos EUA nas Américas. Tal aproximação - que inclui duas visitas de Chávez a Moscou desde julho - coincide com um momento em que as relações entre Rússia e EUA atravessam seu pior momento desde o fim da Guerra Fria, por causa dos planos norte-americanos de instalar um escudo antimíssil no Leste Europeu e da curta guerra de agosto entre Rússia e Geórgia. A Rússia anunciou nesta semana a oferta de um empréstimo de US$ 1 bilhão para Chávez adquirir armas e equipamentos militares de fábricas russas.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.