Venezuela testa mísseis e demonstra poderio

A Venezuela testoumísseis na sexta-feira no Caribe, numa demonstração de poderiomilitar num momento de tensão com os Estados Unidos e aColômbia. Cinco caças russos Sukhoi sobrevoaram a base militar dailha de La Orchila, lançando uma bomba de meia tonelada edisparando um míssil KH-59 contra um alvo marítimo. Umbarco-patrulha disparou um míssil de superfície contra o mesmoalvo. O brigadeiro Luis José Berroteran, comandante da ForçaAérea, disse que o equipamento recém-adquirido ajudará o país aenfrentar eventuais invasões. "Quando se tem [recursos, como o petróleo] desejados porpotências estrangeiras, você tem a obrigação para com o seupovo de defendê-lo", disse o militar. O presidente Hugo Chávez costuma ameaçar os EUA de tramarsua derrubada, e nas últimas semanas vem comparando a atitudenorte-americana às "agressões" de Washington contra Irã eIraque. O teste militar de sexta-feira é a primeira exibiçãopública do poderio adquirido junto a Rússia e China. Os EUA acusam Chávez de estimular uma corrida armamentistaque poderia desestabilizar a região. Washington proibiu a vendade tecnologia militar para a Venezuela, o que levou Caracas arecorrer à compra de caças russos. Mas a Venezuela tem apenas o quarto maior orçamento militarda América Latina, e analistas dizem que seu gasto militar érelativamente baixo em comparação com o PIB do país. Também há tensão entre a Venezuela e a vizinha Colômbia,que acusa Chávez de ajudar a guerrilha Farc. Chávez se vê ameaçado pela recriação da Quarta Frota dosEUA, com presença no Caribe, após um hiato de quase 60 anos.Ele diz também que a violação do espaço aéreo venezuelano porcaças dos EUA, em maio, foi um ato de hostilidade -- osnorte-americanos afirmam que foi involuntário. "Estamos ameaçados pelo império. O que eles querem, que nosdesarmemos?", disse ele em maio, depois do incidente aéreo,ocorrido perto da base de La Orchila, onde também há umaresidência presidencial. "Não vamos fazer mal a ninguém, mas ninguém deve se enganarconosco", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.