Venezuelanos decidem em eleição o futuro da política 'chavista'

Os venezuelanos decidem neste domingo se cumprem o último desejo de Hugo Chávez, de que um fiel aliado dê prosseguimento ao seu programa de governo socialista, ou se entregam o poder a um jovem político que promete administrar o país com foco nos negócios.

BY DANIEL WALLIS, Reuters

14 de abril de 2013 | 10h44

O presidente interino, Nicolás Maduro, tem uma vantagem de dois dígitos na maioria das pesquisas de intenção de voto, em grande parte graças ao apoio que Chávez lhe manifestou antes de morrer de câncer, no mês passado.

Mas a diferença entre os dois candidatos diminuiu nos últimos dias de campanha, e uma das pesquisas aponta vantagem de apenas 7 pontos porcentuais para Maduro.

Seu rival, o governador do Estado de Miranda, Henrique Capriles, diz que os venezuelanos estão cansados das políticas divisionistas dos chavistas e que o apoio que vem obtendo cresceu a ponto de lhe garantir uma surpreendente vitória nas urnas.

Maduro, de 50 anos, ex-motorista de ônibus, enfatiza em todos os comícios a sua origem na classe trabalhadora e promete, se eleito, levar adiante o "socialismo do século 21" de Chávez.

"Estamos trabalhando para ter uma vitória gigante. Quanto maior a margem, mais pacífico será o país", disse Maduro, homem de porte robusto. "Se a diferença for pequena, será somente porque eles (a oposição) conseguiram confundir um grupo de venezuelanos".

O vencedor herdará o controle das maiores reservas de petróleo do mundo em uma nação cuja profunda polarização política é um dos muitos legados de Chávez.

Também está em jogo a generosa ajuda econômica concedida por Chávez a governos de esquerda na América Latina, como Cuba e Bolívia.

Os dois lados fizeram um chamado a seus seguidores para votarem cedo e estarem alertas para a possibilidade de fraudes. Considerando a arraigada desconfiança mútua, se houver uma diferença pequena entre os candidatos ou se o resultado for contestado poderá haver distúrbios.

Na eleição presidencial de outubro, na qual Chávez obteve seu quarto mandato, o comparecimento às urnas chegou a 80 por cento. Desta vez, contudo, os dois lados avaliam que a abstenção poderá ser maior por causa da fadiga eleitoral. As primárias da oposição no ano passado se seguiram à dramática reeleição de Chávez, então convalescente, e à votação para escolha dos governadores, em dezembro.

Durante a campanha, Maduro colou sua imagem à de Chávez. Em eventos por todo o país, os seus partidários gritavam "Com Chávez e Maduro, as pessoas estão a salvo!" e "Chávez, eu te juro, eu vou votar em Maduro!"

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAELEICAOCHAVISTAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.