AP
AP

Venezuelanos invadem ruas para cortejo do caixão de Chávez até museu

Eventos desta sexta-feira foram o ápice de 10 dias de luto oficial na nação, liderada durante 14 anos pelo presidente

Reuters

15 de março de 2013 | 16h07

CARACAS - Centenas de milhares de venezuelanos voltaram às ruas nesta sexta-feira, 15, em uma procissão funerária para Hugo Chávez em meio a protestos da oposição de que o governo estava explorando sua morte para fins eleitorais.

O corpo de Chávez foi levado cerca de 20 quilômetros pelas ruas de Caracas, desde uma academia do Exército até um museu militar em uma colina onde o ex-soldado lançou sua carreira política com um golpe frustrado em 1992. Um funeral de Estado foi feito há uma semana.

Os eventos desta sexta-feira foram o ápice de 10 dias de luto oficial na nação sul-americana, liderada durante 14 anos pelo presidente socialista até a morte dele, vítima de câncer. "Você é um gigante..voe alto e forte, nós cuidaremos de sua pátria e defenderemos seu legado", disse sua filha María Gabriela em uma cerimônia religiosa antes do início da procissão.

Embora o corpo seja colocado por enquanto no museu à beira do bairro populoso 23 de Janeiro - notavelmente, a região mais militantemente pró-Chávez na Venezuela - ainda restam dúvidas sobre o local final para seu descanso.

O governo queria embalsamar Chávez "pela eternidade", ao estilo dos líderes soviéticos Lênin e Stálin e do chinês Mao. Mas, constrangedoramente para a Venezuela, autoridades disseram que o processo foi iniciado tarde demais e pode não ser possível.

O Parlamento deveria debater uma moção nesta semana para uma emenda na Constituição para que o corpo de Chávez seja colocado no Panteão Nacional, perto dos restos mortais de seu ídolo, o herói da independência sul-americana Simon Bolívar.

A Constituição estabelece que a honraria só pode ser concedida para líderes 25 anos após sua morte. Mas o debate foi adiado em meio a conversas de que o corpo de Chávez pode ser levado para sua cidade-natal, Sabaneta, nos "llanos", ou planícies, venezuelanas, cumprindo seu desejo de descansar ao lado da avó que o criou em uma casa de chão de barro.

Multidões de "chavistas" encheram as ruas para a procissão de sexta-feira. Alguns usavam bandanas com o nome do presidente interino Nicolás Maduro, nomeado por Chávez como seu sucessor. Ele é o favorito para as eleições de 14 de abril. "Chávez, prometo a você, meu voto é para Maduro", dizia uma bandana, repetindo um slogan em comícios pró-governo.

"PROSELITISMO PERVERSO"

A oposição, cujo candidato presidencial Henrique Capriles enfrenta uma dura batalha para derrotar Maduro em meio a tanta emoção por Chávez, diz que o governo está prolongando de maneira sentimental o luto e explorando seu caixão como uma peça de campanha.

Capriles, um governador de 40 anos que enxerga o Brasil como modelo político e econômico, pretende começar a fazer campanha pelo país no final de semana. "Pedimos aos que estão usando indiscriminadamente o nome do presidente para a obtenção de votos que parem esse método perverso de proselitismo eleitoral", dizia um comunicado da oposição. "Vamos ter uma campanha decente, sem vantagens injustas ou abusos do poder".

Chávez morreu no dia 5 de março, aos 58 anos, depois de uma batalha de quase dois anos contra o câncer.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaHugo ChávezNicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.