Vice-presidente é ‘pobre cópia' de Chávez, diz oposição venezuelana

A oposição venezuelana debochou de Nicolás Maduro, escolhido como sucessor do presidente Hugo Chávez, chamando-o de "pobre cópia" de seu chefe, e que deveria estar incentivando a união nacional ao invés de insultar opositores durante um momento delicado para a nação sul-amerinaca.

ANDREW CAWTHORNE, Reuters

22 de dezembro de 2012 | 14h22

No poder de 1999, Chávez nomeou seu vice e ministro das Relações Exteriores como seu substituto favorito caso fique incapacitado pelo câncer que combate em Cuba.

Desde a operação de 11 de dezembro, Maduro, de 50 anos, um ex-motorista de ônibus e líder sindical que compartilha a agenda socialista de Chávez, tem tocado o dia-a-dia do governo da Venezuela, enquanto o mandatário não tem sido visto nem ouvido em público.

Embora careça do carisma de Chávez, Maduro emprestou elementos de seu estilo - falar regular e longamente na TV, inaugurar obras públicas, atiçar apoiadores e atacar opositores "burgueses" a todo momento.

Ele até usou uma das frases feitas de Chávez para se vangloriar de que a votação regional de domingo, na qual aliados governistas conquistaram 20 de 23 governos estaduais, esmagou a oposição até esta virar "poeira cósmica".

A coalizão opositora União Democrática reagiu com fúria.

"O vice-presidente Nicolás Maduro começou mal seu reinado temporário", disse em um comunicado tímido, acusando-o de ignorar os urgentes problemas sociais, econômicos e políticos da Venezuela enquanto apela ao antagonismo.

"Senhor Maduro, o país espera mais de você do que uma imitação de seu chefe... em sua retórica, Maduro esconde a crise de liderança no governo, dada a ausência do presidente Chávez, esconde sua fraqueza com gritos e ameaças".

"Não desperdiçe a oportunidade de criar um amplo consenso nacional", afirma a declaração.

Após um ano no qual Chávez se disse curado do câncer que o persegue desde meados de 2011, venceu uma eleição presidencial e depois desapareceu para uma nova cirurgia, os venezuelanos entram em um 2013 de incertezas.

Autoridades do governo dizem que Chávez, de 58 anos, está lúcido e se recuperando em um hospital, mas reconheceram que ainda sofre com uma infecção respiratória depois da operação e que precisa de repouso total.

Crescem especulações de que sua condição ameaça sua vida, e não se sabe de Chávez será capaz de voltar para tomar posse em 10 de janeiro.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELAMADUROCOPIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.