Vice suspeito de corrupção 'se afastou', diz presidente do Peru

O presidente do Peru, Ollanta Humala, disse no domingo que Omar Chehade "se afastou" do cargo de vice-presidente por causa de acusações de corrupção, mas se recusou a dizer se isso foi uma renúncia ou uma licença.

REUTERS

14 de novembro de 2011 | 08h57

A procuradoria geral e o Congresso estão investigando se Chehade, um dos dois vices de Humala, pediu a um general da polícia que ajudasse seu irmão a expulsar trabalhadores de uma cooperativa canavieira, para beneficiar uma empresa que deseja assumir o controle do negócio.

"Para mim, a questão terminou. Ele se afastou. Já havíamos dito que a melhor coisa para ele seria se afastar, e foi o que ele fez", disse Humala ao jornal El Comercio durante passagem pelo Havaí (EUA), onde participou da cúpula de países da Ásia/Pacífico.

"Ele não pertence ao Poder Executivo, então não temos nenhuma relação com ele a esta altura", disse Humala, eleito presidente por uma estreita margem de votos em junho, com promessas de combate à corrupção.

Humala não tem poderes para demitir Chehade, que é o segundo-vice-presidente, já que a Constituição peruana estabelece que somente o Congresso pode destituí-lo, por meio de um processo de impeachment.

Há uma semana, Humala defendeu em rede nacional de TV que seu vice renunciasse. Chehade respondeu declarando-se inocente e dizendo que, em vez de renunciar, se absteria de exercer a única função do seu cargo: substituir o presidente durante as viagens dele ao exterior.

Críticos dizem que a oferta é inócua, já que normalmente o cargo seria transferido à primeira-vice-presidente, Marisol Espinoza.

(Reportagem de Terry Wade e Teresa Cespedes)

Tudo o que sabemos sobre:
PERUVICEAFASTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.