Vídeos de Maradona e Pelé devem animar mineiros presos no Chile

Sugestão foi de parente de um dos trabalhadores, que os apontou como 'fanáticos por futebol'

REUTERS

26 de agosto de 2010 | 21h48

Parentes de mineiros presos aguardam notícias próximas à mina

 

COPIAPO, CHILE- Vídeos de estrelas do futebol como Pelé e Maradona serão enviados para animar a espera dos 33 mineiros que nesta quinta-feira, 26, completaram três semanas presos numa mina no norte do Chile, enquanto familiares e agentes do resgate buscam formas de aumentar o contato com eles.  

 

Veja também:

linkMineiros presos no Chile estão desidratados e com 10 kg a menos 

linkJustiça do Chile bloqueia US$ 1,7 mi de empresa dona da mina

linkFamília de operário processa donos de mina

especialEspecial: Os piores acidentes em minas da década

 

Os mineiros, que estão sendo preparados para uma longa espera, mas que ainda não sabem com precisão que o resgate demorará ao menos três meses, aguardam uma câmera que será enviada para que façam imagens. Um dos objetivos é ver se eles têm ferimentos.

Wilson Avalos, tio de dois dos mineiros que estão presos, Renán e Florencio, planeja deixar a espera mais agradável com vídeos, e o futebol é a solução.

"São muito fanáticos pelo esporte, vamos ter que enviar vídeos dos ídolos deles ... Vamos mandar vídeos de Diego Armando Maradona, Ronaldinho e Pelé. São muito fanáticos por eles", disse Avalos à Reuters.

O grupo de socorristas também estuda a possibilidade de estabelecer comunicações telefônicas entre os mineiros a 700 metros de profundidade e seus familiares, que as poucos começam a deixar "La Esperanza", um acampamento  improvisado na pequena mina de cobre e ouro San José, ao norte do Chile.

"Seria interessante ter (uma linha até eles) em casa. Poderia dar mais força a eles e também dar tranquilidade. É preciso ter muito cuidado com o que se vai dizer", declarou Avalos.

O acidente fez soar um sinal de alerta sobre a segurança no país que é principal produtor mundial de cobre.

Jorge Pavletic, integrante da Sociedade Nacional de Mineração, disse nesta quinta que o órgão regulador do setor, o Serviço Nacional de Geologia e Mineração (Sernageomin), determinou o fechamento de 30 pequenas minas, o que classificou como um exagero por parte das autoridades.

"Esta é uma caça às bruxas que precisa terminar", disse Pavletic. "Não estamos levando as pessoas ao matadouro."

Um porta-voz do Sernageomin afirmou que não tinha informação sobre a medida.

Drama

Os mineiros estão presos em um refúgio a 688 metros da superfície após o colapso na mina. Os 33 sobreviveram por 19 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas.

 

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso à água e canais de ventilação.

 

O resgate será feito por uma perfuradora que abrirá caminho no solo. Andres Sougarret, chefe da operação, afirmou que o período para abrir um túnel largo o bastante para a passagem segura dos homens pode levar até quatro meses.

Tudo o que sabemos sobre:
ChilemineirosresgateSan Josémina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.