Vítimas do crime organizado no norte do México crescem 24,8%

Ciudad Juarez, que faz fronteira com os EUA e é considerada a mais violenta do país, registra alta na violência

Efe,

22 de outubro de 2009 | 08h54

Os homicídios atribuídos ao crime organizado em Ciudad Juárez, no norte do México, superaram os 2 mil com o assassinato de 22 pessoas nas últimas horas, informou hoje a promotoria dessa que é considerada a cidade mais violenta do país.

Além disso, segundo números do jornal mexicano "El Universal", neste ano México já soma 6.018 mortes relacionadas com a ação do crime organizado, o que mostra que uma de cada três pessoas assassinadas em todo o país perdeu a vida em Ciudad Juárez.

Em comparação, em 2008 no México foram registrados cerca de 5.600 homicídios causados pelos cartéis do narcotráfico, dos quais 1.900 ocorreram em Ciudad Juárez, localizada no estado de Chihuahua.

Entre janeiro e outubro, o número de assassinatos nessa cidade que faz fronteira com El Paso (Texas, EUA), superou em 24,8% aos cometidos em todo o ano passado (1.607), de acordo com dados divulgados hoje pela Procuradoria Geral de Justiça do Estado (PGJE).

Segundo a procuradoria, nessa cidade mexicana de 1,5 milhão de habitantes, foram assassinadas 2.005 pessoas em 2009. "Os números são devastadoras, vemos um fracasso não somente das autoridades mas da sociedade" disse à agência Efe o porta-voz da Diocese Católica de Ciudad Juárez, Hesiquio Trevizo.

O religioso fez um chamado à comunidade para que cada pessoa reflita sobre a situação que se vive "a cidade mais violenta do mundo" e "fazer o que esteja em cada um para que a onda de violência termine".

O governo federal mantém em Chihuahua um desdobramento de milhares de agentes federais e soldados para conter a expansão dos grupos narcotraficantes nessa região do país.

"É triste ver como perdemos a capacidade de indignação, como diariamente vemos as execuções como o pão da cada dia", expressou o cinegrafista de um canal de televisão local enquanto gravava ontem à noite o último assassinato do dia.

Entre os homicídios cometidos ontem e na madrugada de hoje nessa localidade está o de Miguel Etzel Maldonado, promotor de Chihuahua, que sofreu ontem à noite um atentado no bairro São Felipe.

Maldonado, que trabalhava como secretário de Ação Política do Partido Revolucionário Institucional (PRI) em Chihuahua, foi atacado a tiros quando chegava a sua casa e morreu a madrugada de hoje quando recebia atendimento médico em um hospital.

Em Ciudad Juárez as autoridades atribuem a onda de crimes aos vários cartéis do narcotráfico que operam na localidade e que disputa o controle das rotas para levar drogas aos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.