Vizinhos rejeitam Micheletti e retiram seu embaixador da ONU

Representantes de países latino-americanos reiteram não reconhecer enviados do governo golpista de Honduras

Efe,

14 de setembro de 2009 | 15h14

Os países latino-americanos mostraram apoio nesta segunda-feira, 14, ao presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, disseram que não aceitarão a participação de uma delegação diplomática no Conselho de Direitos Humanos da ONU que não seja a designada por esse governo e expulsaram o representante hondurenho da reunião de embaixadores.

 

Veja também:

lista Perfil: Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

especialPara analistas, pressão econômica seria a saída 

 

O embaixador do México perante a ONU em Genebra, Juan Gómez Camacho, falou em representação do Grupo Latino-americano para indicar que "não há disposição em permitir que nenhum povo da região experimente mudanças antidemocráticas".

 

Camacho pediu à Presidência do Conselho de Direitos Humanos (CDH) para confirmar a existência de uma carta enviada pelo governo golpista de Honduras "informando do afastamento do embaixador (designado por Zelaya)". Nesse caso, pediu que o embaixador do governo de Roberto Micheletti abandonasse a sala.

 

O representante hondurenho, José Delmer Urbizo, foi expulso do Conselho, mas manifestou repúdio contra a decisão dos líderes latino-americanos. "Rerpesento meu país e meu povo e não há razão para que não participe dos trabalhos do Conselho", argumentou.

 

Os embaixadores dos países latino-americanos mostraram-se descontentes com a presença de Urbizo. "Nossa posição é que o embaixador Urbizo não participe das sessões do Conselho e queremos que ele se retire da sala", disse o venezuelano Germán Mundarain Hernández. O dominicano Homero Hernández afirmou que "seu governo não reconhece nenhuma representação diplomática do governo golpista lidderado por Micheletti", em referência ao atual líder hondurenho.

 

O presidente do Conselho, o belga Alex Van Meeuwen, aceitou adiar o início da sessão até esclarecer esta questão com o escritório legal da ONU e pediu que Urbizo se retirasse da sala após a intervenção dos embaixadores.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasONUembaixadorMichelettiZelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.