Voos são suspensos em Buenos Aires e Montevidéu devido a cinzas de vulcão

Região da Patagônia é uma das mais afetadas; aeroporto de Bariloche permanece fechado

REUTERS

07 de junho de 2011 | 09h54

Atualizada às 15h26

 

Fortes ventos vindos dos Antes até o Oceano Atlântico complicam operações aéreas

 

BUENOS AIRES - Todos os voos que partiriam nesta terça-feira, 7, de Buenos Aires e Montevidéu foram suspensos devido às cinzas lançadas por um complexo vulcânico que entrou em erupção no sábado, no sul do Chile, disseram fontes oficiais.

 

Veja também:

mais imagens Galeria: Imagens do vulcão no Chile

 

Segundo autoridades da Direção Nacional de Aviação Civil e Infraestrutura Aeronáutica, na manhã desta terça-feira "nenhum voo está saindo". "Muitos voos estão demorando e alguns outros ainda estão chegando", disseram trabalhadores do aeroporto de Montevidéu.

 

Para o Brasil

 

De acordo com a página do terminal na internet, o último voo a partir foi da companhia aérea Gol, com destino a São Paulo às 5h50 (no horário local e de Brasília). O voo seguinte, da empresa TAM, também para São Paulo, deveria ter decolado às 6h no horário local, mas foi cancelado.

 

A Patagônia é uma das regiões mais afetadas, com importantes centros turísticos de inverno tendo de reduzir ao mínimo suas atividades. Os fortes ventos desde a cordilheira dos Antes até o Oceano Atlântico complicavam as operações das companhias aéreas comerciais, que também começaram a cancelar voos para o outras regiões.

 

O aeroporto da cidade argentina de San Carlos de Bariloche, no sul do país, permanecia fechado por falta de visibilidade. O principal centro de esqui da América do Sul e os seus arredores estavam cobertos de cinza. Além disso, a rodovia Cardenal Samore, importante passagem na fronteira entre Chile e Argentina, continuava fechada por causa da escassa visibilidade e o acúmulo de cinzas.

Trânsito interrompido

 

As autoridades argentinas desaconselham o uso das estradas na região afetada pelas cinzas. Algumas delas estão com o trânsito interrompido. O fechamento do movimentado aeroporto de Bariloche obrigou a filial argentina da companhia aérea chilena LAN, a Aerolíneas Argentinas e a Austral a cancelarem seus voos que partiriam e chegariam à região, que é vizinha ao complexo vulcânico chileno de Puyehue-Cordón Caulle.

 

A erupção do complexo vulcânico lançou lavas e provocou o desprendimento de pedras. A Aerolíneas Argentinas informou que não haverá voos para e de Bariloche até o próximo domingo. As operações noturnas até Santiago, capital do Chile, e a província argentina de Mendoza estão suspensas até quinta-feira.

A imprensa local afirmou que também empresas dos Estados Unidos cancelariam nesta terça-feira vôos para e do aeroporto internacional de Ezeiza, em Buenos Aires. As graves consequências sobre as localidades argentinas na região da cordilheira levaram a presidente Cristina Kirchner a contatar as autoridades da indústria área.

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINAVULCAOBARILOCHE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.