Orlando Barria/Efe
Orlando Barria/Efe

Zelaya anuncia viagem pela América para falar de Honduras

Ex-presidente também visitará Espanha e EUA para discutir democracia; datas ainda não foram confirmadas

Efe,

17 de fevereiro de 2010 | 17h57

O ex-presidente de Honduras Manuel Zelaya anunciou nesta quarta-feira, 17, uma futura viagem por vários países da América Latina, Espanha e Estados Unidos para abordar a situação de seu país e a necessidade de garantir a democracia na região.

 

"Tenho uma agenda para cumprir com os países da América Latina, Espanha e também com muitos grupos de opinião pública muito forte dos Estados Unidos", disse Zelaya à imprensa em uma reunião com deputados locais do Parlamento Centroamericano (Parlacen) para discutir seu ingresso no organismo regional.

 

Ainda sem revelar datas, o mandatário deposto, que vive na República Dominicana na qualidade de "hóspede distinto", informou que fará uma viagem pela América Central para visitar os presidentes da Nicarágua, Daniel Ortega; da Guatemala, Álvaro Colom; de El Salvador, Mauricio Funes, e da Costa Rica, Óscar Arias.

 

Zelaya tem um assento no Parlacen por sua condição de ex-presidente de um dos países membros da instituição.

 

O mandatário deposto também informou que visitará outros países latino-americanos, assim como a Espanha e os Estados Unidos em datas também não reveladas, e garantiu ter vários convites de universidades estrangeiras para dar conferências sobre a democracia.

 

Zelaya também anunciou que trabalha na elaboração de documentos que enviará aos presidentes que participarão na próxima semana em Cancún, no México, na Cúpula do Grupo do Rio, e aos membros do Sistema de Integração Centroamericana (SICA).

 

O presidente deposto afirmará aos dois organismos a necessidade de garantir a democracia na região e fortalecer a Carta Democrática da Organização dos Estados Americanos (OEA) para endurecer as sanções contra os envolvidos no golpe de Estado que o tirou do poder em 28 de junho.

 

Zelaya chegou a Santo Domingo em 28 de janeiro após deixar Honduras, depois de permanecer na embaixada brasileira em Tegucigalpa desde 21 de setembro. O ex-presidente planeja ficar por um curto período de tempo na República Dominicana, para depois se instalar no México e assumir seu assento no Parlamento Centroamericano.

 

No encontro que manteve nesta quarta com os dominicanos membros do organismo, Zelaya manifestou seu interesse de regressar a seu país e de se incorporar a vida política, mas garantiu que no momento não há condições para isso.

Tudo o que sabemos sobre:
Manuel ZelayaParlacenOEAHondurasgolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.