Zelaya considera que luta pode ser longa, diz assessor

Prestes a completar 100 dias longe do poder, presidente deposto diz que objetivo é 'respeito à democracia'

Efe,

04 de outubro de 2009 | 17h18

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, considera que a luta pela restituição ao poder pode ser longa e ressaltou a falta de diálogo do Governo de fato de Roberto Micheletti, disse neste domingo, 4, Rasel Tomé, um de seus assessores.

 

Veja também:

linkCongressistas dos EUA se encontram com Micheletti

linkDeputados do País ouvem críticas e defendem Lula

especialEspecial: O impasse em Honduras   

 

"O presidente segue firme na luta, que pode ser longa. Mas o objetivo principal é o respeito à democracia", disse Tomé, companheiro de Zelaya na embaixada do Brasil em Tegucigalpa, onde o governante está desde 21 de setembro. Segundo Tomé, Zelaya e sua mulher, Xiomara Castro, estão bem na sede diplomática brasileira, isolada por militares e policiais.

 

O assessor ressaltou que pelo fato de nesta segunda-feira a resistência completar 100 dias se mantém firme à reivindicação ao regime golpista de retomar o diálogo e "retirar os militares do entorno da embaixada do Brasil, por fim aos assassinatos, à tortura e à repressão".

 

Se não forem respeitados os três pontos básicos da proposta pelo presidente, não será reconhecido o processo eleitoral, marcado para 29 de novembro, acrescentou Tomé.

 

Segundo Carlos Eduardo Reina, Zelaya propôs a aprovação do Acordo de San José, mudanças na proposição do presidente da Costa Rica, Oscar Arias, e por último, que todas as mudanças sejam cumpridas com a fiança nacional e internacional. "Até agora não vimos vontade do Governo de fato de Micheletti de querer assinar o Acordo de San José", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.