Zelaya diz ao 'Estado' que espera acordo pacífico em Honduras

Em entrevista, presidente comenta riscos de invasão da embaixada e explica por que a escolheu para se abrigar

estadao.com.br,

22 de setembro de 2009 | 19h21

Reunido com sua "comissão de diálogo" na embaixada do Brasil em Tegucigalpa, o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, disse nesta terça-feira, 22, por telefone a repórter Luciana Alvarez, do Estado, que tem esperança de chegar a um acordo com o governo de facto para pôr fim à crise de forma pacífica. Zelaya falou ainda sobre os riscos de invasão da representação brasileira e explicou por que recorreu ao local em seu primeiro retorno à capital desde o golpe de Estado que o depôs, em 28 de junho: "pela democracia que há no Brasil e pela amizade com o presidente Lula".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.