STR/Efe
STR/Efe

Zelaya diz que continuará na embaixada se o Brasil deixar

Presidente deposto de Honduras está abrigado na missão brasileira desde o dia 21 de setembro

Associated Press,

07 de dezembro de 2009 | 14h49

O líder deposto de Honduras, Manuel Zelaya, afirmou nesta segunda-feira, 7, que permanecerá em seu refúgio na embaixada do Brasil em Tegucigalpa se o País permitir que continue lá, segundo uma rádio local.

 

Veja também:

especialEspecial: Para entender o impasse em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

 

"Aqui ficarei enquanto contar com o apoio do Brasil", disse Zelaya à rádio Globo. "Eu defendo uma causa: respeitar o direito do povo de eleger seus presidentes. Fui tirado do poder e me defendi em Washington, na Europa e na América do Sul, na América Central e seguirei defendendo minha posição", completou o presidente deposto, hospedado na embaixada brasileira desde 21 de setembro.

 

O governante destituído agora deve conversar sobre sua situação com Porfírio Lobo, líder do opositor Partido Nacional e vencedor das eleições gerais de novembro. Lobo assume a presidência em janeiro e permanecerá no cargo por quatro anos.

 

Zelaya e Lobo são amigos de infância e oriundos da mesma província de Olancho, no leste do país. "Não descarto conversar com Pepe (apelido do presidente eleito) e isso não me faz deixar de lado meus valores e meus princípios. Sou um democrata e também sou pacífico", disse Zelaya à rádio.

 

Lobo já iniciou um diálogo com os líderes de todos os setores do país e convidou Zelaya a integrar as discussões, mesmo que sua campanha política não tenha tratado da restituição do presidente deposto. O problema é que se Zelaya deixar a embaixada brasileira, poderá ser preso mediante acusações de atentar contra a Constituição, de traição da pátria, de usurpação de funções e de abuso de autoridade, já que, segundo alegam os opositores, ele pretendia mudar a Constituição para eleger-se pela terceira vez.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasZelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.