Zelaya diz que documento mostra cumplicidade dos EUA em golpe de Estado

O documento que Zelaya se refere é um relatório do embaixdor americano em Honduras enviado em 2009

EFE,

29 de novembro de 2010 | 22h26

O ex-presidente de Honduras Manuel Zelaya assegurou nesta segunda-feira, 29, que o documento filtrado pelo Wikileaks demonstra a "cumplicidade" dos Estados Unidos no golpe de Estado que o derrubou em 28 de junho de 2009.

 

Veja também:

linkWikileaks: para EUA, Zelaya foi vítima de conspiração

linkPara EUA, Brasil oculta prisão de terroristas, revela WikiLeaks

linkWikiLeaks revela segredos da diplomacia americana

linkOs líderes mundiais sob o olhar dos diplomatas americanos

 

"Fica evidenciada a cumplicidade dos Estados Unidos ao saber, antecipadamente, do planejamento e da execução do golpe de Estado, e ficar em silêncio", afirmou Zelaya em comunicado enviado da República Dominicana, onde mora, e que foi distribuído à imprensa por colaboradores em Tegucigalpa.

 

O documento é um relatório do embaixador americano em Honduras, Hugo Llorens, enviado no dia 24 de julho de 2009, que aparece no jornal "The New York Times" e no periódico espanhol "El País", e que foi reproduzido pela imprensa hondurenha.

 

Llorens assinalou que "a perspectiva da embaixada era que não havia dúvida de que o Exército, a Corte Suprema e o Congresso conspiraram no dia 28 de junho no que constituiu um golpe inconstitucional e ilegal contra o poder Executivo".

 

Destacou que, independentemente dos méritos de um caso contra Zelaya, a tomada do poder por parte de Roberto Micheletti, que ocupou a Presidência após o golpe, foi "ilegítima". Segundo a mensagem enviada por Llorens, "nenhum" dos argumentos para justificar a derrocada de Zelaya gozavam de "validade substancial" segundo a Constituição hondurenha.

 

Zelaya assegurou que "o documento do Wikileaks é uma revelação de que os Estados Unidos estavam muito conscientes do golpe de Estado e complica o Governo de Barack Obama".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.