Oswaldo Rivas/Reuters
Oswaldo Rivas/Reuters

Zelaya diz que estará sexta-feira na fronteira com Honduras

Decisão foi anunciada depois de as negociações mediadas pela Costa Rica não chegarem a acordo

Efe, Reuters, AP

23 de julho de 2009 | 02h12

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, informou que viajará ao norte da Nicarágua nesta quinta-feira, 23, e que estará na fronteira com seu país no dia seguinte, mas não disse se entrará em território hondurenho. Ele deu como fracassadas as tentativas de mediação na Costa Rica.

 

Leia também:

linkCosta Rica propõe retorno de Zelaya ao poder na sexta-feira

linkPara analistas, pressão econômica seria saída para Honduras 

linkAmorim diz que 'golpistas só prolongam agonia' em Honduras

linkZelaya diz que sua morte será responsabilidade de comandante militar

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

Em uma breve entrevista coletiva concedida na noite da quarta-feira, 22, na embaixada de Honduras na capital da Nicarágua, Manágua, Zelaya disse que já começou a conversar com presidentes da América Central sobre a crise em seu país, sem revelar o resultado dos primeiros contatos com os líderes da região.

 

O presidente deposto se limitou a dizer que sugeriu a convocação do Sistema de Integração Centro-Americana (Sica), da Organização dos Estados Americanos (OEA) e das Nações Unidas.

 

Zelaya afirmou que primeiramente viajará para Estelí, Somoto ou Ocotal, cidades do norte da Nicarágua, e que, na sexta-feira,24, estará na fronteira com seu país.

 

"Eu tenho a obrigação de me aproximar do povo no próximo fim de semana, espero que vocês (jornalistas) me acompanhem; portanto, espero sua compreensão", disse o líder deposto quando perguntado se entrará em território hondurenho - o que pode acontecer pelos postos de Guasaule, El Espino ou Las Manos, segundo Zelaya.

 

Ele disse ainda que pediu que sua esposa e filhos o acompanhem em seu percurso, e voltou a responsabilizar os "militares golpistas por qualquer dano" a sua família. "Vou sem armas e pacificamente buscar que a paz e a tranquilidade voltem realmente em Honduras", insistiu.

 

O líder deposto reafirmou que dá como concluída - e fracassada - a mediação liderada pelo presidente da Costa Rica, Óscar Arias, porque "os golpistas se negaram a assinar acordos" e a reconduzi-lo à Presidência.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasZelayagolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.