Zelaya diz que governo interino planeja capturá-lo e matá-lo

Forças de segurança invadiriam embaixada brasileira na noite desta quarta e forjariam suicídio do líder deposto

Reuters,

23 de setembro de 2009 | 11h11

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, denunciou nesta quarta-feira, 23, que o governo golpista de seu país tem um plano para capturá-lo e assassiná-lo, o que incluiria uma invasão à embaixada do Brasil em Tegucigalpa, onde ele se refugiou depois de voltar ao território hondurenho.

 

Veja também:

linkProposta de diálogo de Micheletti é 'manipulação', diz Zelaya

link'Golpistas estão exagerando', diz Lula

linkEntrevista: Zelaya diz que espera solução pacífica para crise

linkCâmara aprova moção de repúdio a ação contra embaixada

linkBrasil quer que ONU discuta crise de Honduras

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça comentário de Lula sobre crise política

som Eldorado: Mercadante cogita suspensão de acordos entre países

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse em Honduras

 

A volta de Zelaya esta semana para tentar recuperar o poder em Honduras, quase três meses depois do golpe militar de 28 de junho, que teve apoio de políticos e de membros da elite econômica, gera temores de que haja uma escalada de violência no país centro-americano. Na terça-feira, policiais e militares reprimiram manifestações de seguidores dele.

 

"Hoje estamos sendo ameaçados... Nesta noite [de quarta-feira] vai-se tomar a embaixada do Brasil", disse Zelaya ao canal venezuelano de TV Telesur, citando informações que teriam sido passadas por uma jornalista desse próprio canal, ligado ao governo esquerdista do presidente venezuelano, Hugo Chávez. "Supostamente há um plano, seja de captura ou assassinato, (a jornalista) diz que já há até os legistas para declarar que é um suicídio", disse Zelaya.

 

O governo interino alertou que prenderá Zelaya se ele sair da missão diplomática do Brasil, que por sua vez garantiu a segurança do presidente deposto e alertou os líderes hondurenhos que não aceitará afrontas à sua embaixada. A comunidade internacional pediu calma.

 

"Alerto a comunidade internacional. Eu, Manuel Zelaya Rosales, filho de Hortênsia e José Manuel, não se suicida. Está vivo, lutando por seus princípios e por seus valores, com firmeza. E prefiro morrer firme que ajoelhado perante esta ditadura. E que isso fique muito claro perante esses tiranos que estão querendo governar este país pelas armas," declarou.

 

Centenas de soldados hondurenhos e policiais antidistúrbios, alguns com máscaras e outros com armas automáticas, cercaram nesta quarta-feira o edifício da embaixada brasileira onde Zelaya se refugiou com sua família e um grupo de cerca de 40 simpatizantes. O governo brasileiro pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que discuta a pior crise política na América Central em décadas.

 

O presidente interino, Roberto Micheletti, disse na terça-feira que Zelaya pode ficar na embaixada por "5 ou 10 anos, nós não vemos nenhum inconveniente de ele viver ali", sinalizando que está pronto para uma longa disputa.

 

Os EUA, a União Europeia e a Organização dos Estados Americanos tentam o diálogo para restaurar o poder de Zelaya no país. O governo interino de Honduras se recusou a suavizar sua posição contra a tentativa do líder deposto de voltar ao poder.

 

Zelaya fez um pedido a comunidade internacional, nesta quarta-feira, para que a pressão que está exercendo sobre as autoridades realmente crie resoluções concretas.

Tudo o que sabemos sobre:
ZelayaembaixadaHondurasMicheletti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.