Zelaya diz que não ficará 'nem um segundo a menos' no poder

Presidente deposto de Honduras afirma que negociações são para reinstalá-lo; 'não vou vender nem trair o povo'

Efe,

07 de julho de 2009 | 18h45

O presidente deposto de Honduras, José Manuel Zelaya, afirmou nesta terça-feira, 7, que não ficará nem um segundo a menos no cargo que lhe é de direito. Ainda segundo Zelaya, o processo de mediação com o presidente costarriquenho, Oscar Arias, é para a reinstalação de seu governo. "Não ficarei (no poder) nem um só dia, nem um só minuto, nem um só segundo além do tempo que o povo me mandou, mas também não ficarei nem um só dia, nem um só minuto, nem um só segundo a menos", disse a uma rádio hondurenha.

 

Veja também:

linkZelaya e Micheletti se reunirão na quinta

linkLula pede resposta dura contra golpe de Estado

som Podcast: Mestre em Direito Internacional fala sobre a atual situação de Honduras

mais imagens Fotos: Galeria com imagens de protestos em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

Zelaya, expulso do poder e do país pelos militares em 28 de junho, destacou que o processo de mediação que será liderado por Arias "é uma decisão acertada". O presidente deposto disse ainda que na quinta-feira se reunirá com o chefe de Estado provisório de Honduras, Roberto Micheletti.

 

"Acho que desta forma, nas próximas horas, será encontrada uma forma de se restituir o meu governo, a minha Presidência, que é o que pediram as nações do mundo. Acho que isto não podem negar os que estão neste momento ilegalmente" no poder, declarou.

 

"Sou um homem justo e tratarei para que este diálogo com o governo de facto também se mantenha num nível elevado", afirmou. Segundo Zelaya, sua volta ao poder "não é negociável", assim como a permanência de Micheletti. A mesa de diálogo buscará "saídas honrosas" para todos, disse. "Não vou vender nem trair o povo ou a democracia", acrescentou o líder deposto, segundo quem "a população tem que permanecer nas ruas até que isto se restabeleça."

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.