Zelaya diz que pedirá destituição de golpistas em 24 horas

Presidente deposto de Honduras chega à Costa Rica para primeira reunião com governo interino

Reuters e Efe,

08 de julho de 2009 | 21h12

O presidente deposto de Honduras, José Manuel Zelaya, chegou na noite desta quarta-feira, 8, à Costa Rica, para iniciar, na quinta, um diálogo junto ao líder de facto de seu país, Roberto Micheletti, mediado pelo presidente Oscar Arias, com o objetivo de pôr fim à crise política na nação. O líder destituído adiantou que pedirá a remoção do governo interino em 24 horas.

 

Veja também:

linkLula pede resposta dura contra golpe de Estado

som Podcast: Gustavo Chacra fala sobre as negociações

mais imagens Imagens de protestos em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

Em sua chegada a San José, Zelaya afirmou disse esperar uma "resposta clara da contraparte golpista que rompeu o processo democrático". Mais cedo, o presidente deposto chamou Micheletti, nomeado em seu lugar após o golpe do último dia 28, de "gorila" e assegurou que o novo chefe de Estado hondurenho deverá "pagar" por sua traição.

 

"A traição é um crime que não prescreve", afirmou Zelaya em declarações a um canal chileno de televisão, nas quais também reiterou que não negociará com os "golpistas" nas reuniões desta quinta. Segundo Zelaya, Roberto Micheletti representa um regime que deu um golpe de Estado com armas e que cometeu crimes como "assassinatos, violações aos direitos humanos e especialmente a traição."

 

O presidente deposto negou ter violado a Constituição e as leis, como disseram os novos governantes de Honduras para justificar o golpe contra seu governo. "Se meu crime é lutar pela justiça, me declaro culpado", disse Zelaya.

 

A missão de Arias será mediar um plano para que presidente deposto volte a seu posto, com o compromisso de não tentar se reeleger. Na terça-feira, Micheletti disse estar muito feliz com a escolha do presidente costa-riquenho e afirmou estar "aberto para o diálogo". Em seguida ele recuou, dizendo que não iria à Costa Rica "negociar, mas conversar."

 

A crise em Honduras começou no primeiro semestre, quando Zelaya desafiava o Congresso hondurenho, a Suprema Corte e o Exército do país ao pressionar por um plebiscito para obter apoio a uma mudança na Constituição que permitiria ao presidente se reeleger além do mandato único de quatro anos. Antes que ele pudesse realizar a votação, em 28 de junho o Exército de Honduras o prendeu quando o chefe de Estado ainda estava de pijamas e o levou à Costa Rica.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.