Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Rodrigo Abd/AP
Rodrigo Abd/AP

Zelaya e Micheletti chegam a agenda comum para diálogo

Representantes de ambos os lados expressam otimismo em Honduras após encontro sob mediação da OEA

estadao.com.br,

07 de outubro de 2009 | 21h18

Os representantes do governo de facto de Honduras e do presidente deposto Manuel Zelaya chegaram nesta quarta-feira, 7, a uma agenda comum para o diálogo iniciado com a missão da Organização dos Estados Americanos (OEA), disseram delegados de ambas as partes. Victor Meza, ex-ministro de Zelaya, e Armando Aguilar, membro da comissão de Micheletti, concordaram que existe um certo otimismo nas perspectivas da negociação, mas não revelaram o conteúdo da agenda.

 

Veja também:

linkBrasileiro na OEA diz que volta de Zelaya é 'inegociável'

linkHonduras: restituição de Zelaya é entrave

especialEspecial: O impasse em Honduras   

 

Antes do anúncio, o presidente de facto, Roberto Micheletti, disse à OEA que está disposto a deixar o poder se Zelaya abrir mão de sua exigência de ser restituído, informou a agência France Presse. "Se eu sou o obstáculo, me coloco de lado", afirmou Micheletti em uma reunião com o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, e missão de chanceleres que tentam resolver a crise política instaurada no país desde a destituição de Zelaya, em 28 de junho.

 

Durante a sessão, transmitida ao vivo pela televisão local, o líder de facto insistiu ainda que as eleições presidenciais de 29 de novembro seguirão como planejado, ao "menos que nos invadam". A comunidade internacional já alertou que não reconhecerá a votação se ela for realizada sob o governo Micheletti.

 

Antes do início da reunião, Insulza pediu soluções imediatas para a crise. "Não estamos aqui para criar um debate, estamos aqui para encontrar soluções concretas para uma situação que não pode mais se prolongar", disse o secretário-geral, que atua como supervisor do encontro.

 

Em seu discurso, Insulza pediu também que fossem considerados no encontro "todos os pontos contemplados pelo Acordo de San José" proposto pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias, em julho. O chefe da OEA lembrou que "o acordo é claro em cinco aspectos. Primeiro, a restituição do presidente eleito pelo povo hondurenho", além da formação de um governo de unidade nacional, a "garantia de Zelaya e outras autoridades para promover a Assembleia Constituinte, anistia política e mecanismos de supervisão internacional."

 

"Queremos buscar consensos claros sobre esses pontos", acrescentou Insulza. "Nada disso deve levar mais tempo", continuou, pedindo às partes que busquem um acordo se "querem o bem de Honduras e a reconciliação nacional". O chanceler do governo de facto, Carlos López, exigiu à comunidade internacional a "não continuar o debate sobre o governo ser ou não o sucessor constitucional ou se convém ou não apoiar as eleições" de novembro.

 

Na terça-feira à noite, Micheletti disse que ambas as partes abordariam "com um novo espírito" os temas de que alguma maneira foram objeto de consideração no tratado de San José, solução proposta pela Costa Rica que sugere a anistia política e a restituição de Zelaya.

 

Cada uma das partes é representada por três pessoas. Micheletti tem como delegação a ex-presidente da Corte Suprema de Justiça, Vilma Morales; o advogado Arturo Corrales, ex-candidato presidencial do opositor Partido Democrata Cristão; e advogado Armando Aguilar. Já Zelaya é representado pelo líder sindical Juan Barahona e seus ministros Víctor Meza, do Governo, e Mayra Mejía, do Trabalho.

 

(Com AP e Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.