Mario Lopez/Efe
Mario Lopez/Efe

Zelaya é nomeado deputado do Parlamento Centro-Americano

Ex-presidente destituído representará Honduras no organismo da América Central

Efe,

17 de setembro de 2010 | 21h09

GUATEMALA- O ex-presidente hondurenho Manuel Zelaya, destituído em junho de 2009, foi juramentado nesta sexta-feira, 17, na capital guatemalteca como deputado de pleno direito do Parlamento Centro-Americano (Parlacen) em representação de Honduras.

 

"O senhor fica investido de seu cargo como deputado do Parlamento Centro-Americano", que lhe corresponde como ex-presidente constitucional da República de Honduras, disse no ato de posse o presidente do Parlacen, o nicaraguense Jacinto Juárez.

 

Assembleia

 

Os seguidores Zelaya disseram hoje ter reunido mais de 1,3 milhão de assinaturas de apoio a uma Assembleia Constituinte, mas por enquanto não pedirão ao governo de Porfirio Lobo que a convoque.

 

A Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP) colheu 1.342.876 assinaturas em todo o país nos últimos cinco meses, anunciaram seus dirigentes em entrevista coletiva.

 

No entanto, "não vamos apresentar assinaturas a nenhum poder do Estado" para pedir a Lobo que seja convocada a Constituinte, disse à Efe o coordenador da Frente, Juan Barahona.

 

Ele explicou que, nos próximos meses, a FNRP fará uma consulta em nível nacional "para ver quais passos se seguem com essas assinaturas", para definir a quem se pede e por qual mecanismo (para buscar a convocação).

 

Barahona acrescentou que, por meio dessa consulta, também se pretende obter "ideia do conteúdo que deve ter a nova Constituição" que a ser discutida na eventual Assembleia Constituinte.

 

A Constituição hondurenha, vigente desde 1982, não estabelece nenhum mecanismo de convocação de uma Constituinte.

 

Embora a Constituição inclua consultas populares, ela estabelece que estas não podem ser convocadas para mudar as cláusulas pétreas da Carta Magna. Uma dessas cláusulas é a que proíbe a reeleição presidencial.

 

Zelaya foi destituído do poder em 28 de junho de 2009, quando preparava uma consulta para promover uma Constituinte que teria entre seus objetivos prolongar seu mandato, iniciado em 2006.

 

O ex-líder vive exilado na República Dominicana, mas hoje chegou a Manágua para analisar a crise hondurenha com o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, o ex-governante do Panamá Martín Torrijos e dirigentes da situação em El Salvador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.