Zelaya ficará na embaixada brasileira ao menos até janeiro

Frente Nacional de Resistência Popular exige sua libertação da embaixada do Brasil 'o mais rápido possível'

Efe,

19 de dezembro de 2009 | 21h07

A Frente Nacional de Resistência Popular de Honduras, que exige a volta ao poder do presidente deposto Manuel Zelaya, disse neste sábado, 19, que o líder não sairá da Embaixada Brasileira em Tegucigalpa antes de 27 de janeiro.

 

Veja também:

especialEspecial: Para entender o impasse em Honduras

especialCronologia da crise no país

 

"Com essa atitude dos golpistas de não querer largar o poder, não acreditamos que o presidente Zelaya saia antes de 27 de janeiro, nem que ele se preste a isso só para legalizar a cerimônia da transferência de poder", afirmou à Agência Efe o secretário-geral da Frente Nacional de Resistência Popular contra o Golpe de Estado, Juan Barahona.

 

O presidente de facto, Roberto Micheletti, reiterou esta semana que entregará o poder em 27 de janeiro a Porfirio Lobo, presidente eleito em 29 de novembro passado.

 

"Levar o presidente Zelaya em 27 de janeiro ao Estádio Nacional (à transferência de poder) seria uma burla para o povo hondurenho", disse Barahona, que reiterou que a Frente Nacional de Resistência Popular exige "sua libertação da embaixada" do Brasil "o mais rápido possível".

 

Segundo ele, a Frente deve realizar neste domingo uma assembleia popular em Tegucigalpa para revisar o trabalho de organização em todo o país e seguir exigindo a restituição de Zelaya no poder.

 

A transferência de poder em 27 de janeiro, segundo Barahona, será em um ambiente de ilegalidade, porque o presidente Zelaya e a maioria da comunidade internacional não reconhecem as eleições.

Tudo o que sabemos sobre:
ZelayaHonduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.