Zelaya promete se apresentar à Justiça, mas só após restituição

Segundo jornal uruguaio, presidente deposto voltou a alegar inocência e a não violação da Constituição do país

Ansa e Efe,

01 de outubro de 2009 | 13h09

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, garantiu nesta quinta-feira, 1º, estar disposto a se apresentar à Justiça de seu país e responder pelos crimes atribuídos a ele com a condição de que seja restituído ao governo.

 

Veja também:

linkTropas invadem prédio e prendem partidários de Zelaya

linkMicheletti renuncia se Zelaya for preso, diz empresário

linkAmorim: Brasil negou avião para Zelaya

especialEspecial: O impasse em Honduras   

 

"A solução desta crise passa por minha restituição, pelo respeito à democracia", disse Zelaya em entrevista concedida ao jornal El Observador, do Uruguai. ""Estou disposto a ir aos tribunais. Não me permitiram (depois do golpe de Estado, em 28 de junho), porque me tiraram do país. Estou disposto a responder às acusações contra mim. Não tenho problema com isso", explica Zelaya ao jornal. "Por isso voltei, porque sou inocente", completou.

 

O mandatário, que regressou ao país no dia 21 e está abrigado na Embaixada do Brasil, ainda negou ter violado a Constituição hondurenha ao promover uma consulta que teria como objetivo permitir sua eventual reeleição, como alegam opositores. "Eu não violei a Constituição, jamais fiz isso. Não se tratou de um referendo, isso é uma mentira que os opositores utilizam para me desacreditar. Tratava-se de uma consulta, não vinculante, que não reformava nenhuma lei nem estabelecia a reeleição", argumentou.

 

No dia em que Zelaya foi destituído, haveria um processo de consulta popular sobre a realização de um outro referendo. Esta segunda votação, se aprovada, ocorreria no dia 29 de novembro, data para a qual já haviam sido marcadas as eleições presidenciais, e proporia a formação de uma Assembleia Constituinte.

 

Indagado sobre o papel que os EUA têm desempenhado na crise vivida por seu país, Zelaya considerou que as medidas "não foram suficientes para o restabelecimento da democracia". Apesar disso, definiu como "clara" a condenação de Washington ao golpe de Estado.

 

O presidente deposto também defendeu os protestos realizados em favor de sua restituição, que têm sido reprimidos pela Polícia. Desde o fim de semana, vigora em Honduras o estado de sítio, que proíbe qualquer reunião pública. "Temos o direito de nos expressarmos pacificamente ante as violações das liberdades, e agora contra o fechamento dos meios de comunicação. Estão restringindo as liberdades. Não podemos deixar que nos intimidem", disse Zelaya.

 

Na segunda-feira, já com base no decreto que suspendeu as garantias civis e impôs o estado de sítio, o governo de facto de Honduras fechou a Rádio Globo e o canal de TV Cholusat Sur, dois veículos que apoiam o presidente deposto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.