Zelaya será preso se voltar a Honduras, diz procurador-geral

Presidente deposto pode pegar 20 anos de prisão por 'vários delitos'; chefe de Estado afirma que volta na 5ª

Efe,

30 de junho de 2009 | 17h37

O procurador-geral de Honduras, Luis Rubí, confirmou nesta terça-feira, 30, que se o presidente derrubado, Manuel Zelaya, voltar ao país será detido. Segundo Rubí, a Justiça hondurenha emitiu uma ordem de detenção contra Zelaya, que poderá pegar 20 anos de prisão pelos crimes que supostamente cometeu. Rubí, que ocupa o cargo há vários meses e é membro do governante Partido Liberal, disse em coletiva de imprensa que "uma vez que (Zelaya) pise em território nacional, ele será detido e posto à disposição dos tribunais da República."

 

Veja também:

linkZelaya nega que busca reeleição e promete punir golpistas

linkGolpes de Estado são cada vez mais raros, mostra pesquisa 

linkChávez fortalece opositores do bolivarianismo

linkHonduras ignora pressão e interino assume lugar do presidente deposto

linkZelaya continua sendo presidente, diz Obama

linkPolícia hondurenha reprime protestos contra golpe

linkAmorim ordena que embaixador brasileiro não volte a Honduras

linkNa Nicarágua, Zelaya conta como foi destituído

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

som Podcast: Professor da Unesp analisa Golpe de Estado em Honduras

som Podcast: Especialista teme que países sigam o exemplo

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

 

Zelaya, derrubado no domingo pelos militares, que o enviaram à Costa Rica, anunciou que voltará a Honduras na próxima quinta-feira respaldado por representantes da comunidade internacional. O procurador-geral explicou que o Ministério Público investigou e formulou acusações contra Zelaya por "vários delitos", que poderiam render "20 anos" de prisão a ele.

 

Alguns desses crimes são abuso de autoridade, violação dos deveres dos funcionários e traição à pátria, entre outros, todos relacionados com uma consulta que Zelaya tentou realizar no domingo com a intenção de promover uma reforma constitucional. Rubí disse que "o Ministério Público desde o princípio informou ao presidente que ele estava violando a lei" ao promover o plebiscito, porque a Constituição não dá ao Executivo condições de fazer isso, só ao Supremo Tribunal Eleitoral.

 

O procurador-geral esclareceu que não há "nenhuma ação" do Ministério Público contra os funcionários do governo de Zelaya. No entanto, no futuro poderia haver ações contra eles "por casos de corrupção" que eram conduzidos anteriormente, advertiu. Rubí lamentou que o novo governo de Honduras, presidido por Roberto Micheletti, seja vítima de "desinformação" sobre "o que realmente ocorreu no país."

 

Além disso, pediu à comunidade internacional que deixe que os problemas sejam resolvidos pelos hondurenhos, "respeitando a Constituição e as leis". Zelaya foi levado à força pelos militares à Costa Rica no domingo, quando Micheletti, até então chefe do Parlamento, foi escolhido por este órgão para ocupar a Presidência.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.