Zelaya transformou embaixada em 'comitê político', diz Sarney

Representação brasileira não pode ser usada para assuntos internos de Honduras, afirma presidente do Senado

Efe,

28 de setembro de 2009 | 17h08

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), criticou nesta segunda-feira, 28, a atividade do deposto Manuel Zelaya na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa e disse que a sede diplomática não pode ser usada para a abordagem de assuntos internos de outro país. Sarney, um dos principais aliados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, assegurou à Agência Brasil que Zelaya e seus seguidores transformaram a embaixada em um "comitê político."

 

Veja também:

linkPara Serra, abrigar Zelaya em embaixada é 'trapalhada'

linkEUA qualificam volta de Zelaya de 'irresponsável'

lista  Honduras, pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya governou à esquerda

especialCronologia do golpe de Estado

especialEntenda a origem da crise política

mais imagens Veja galeria de imagens do dia de hoje

video TV Estadão: Jornalistas discutem impasse

video TV Estadão: Ex-embaixador comenta

 

"Esse abuso não é bom nem para Zelaya nem para o Brasil. A embaixada brasileira tem que zelar pelas leis que regulam o asilo e não se meter em assuntos internos de outros países", afirmou Sarney.

 

"Acho que o Brasil não pode deixar de oferecer asilo (a Zelaya), especialmente a um homem que foi deposto por um golpe. Mas o que está acontecendo, reconheço, é um certo exagero na ocupação da embaixada, que foi transformada em comitê político", disse.

 

O presidente do Senado lembrou que o Brasil tem uma tradição de 200 anos de respeito à soberania dos países e nunca interveio em outra nação. Sarney apontou que o governo poderia ter encontrado outra forma de se posicionar contra os golpistas, mas sem interferir na situação interna.

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.