Esteban Felix/AP
Esteban Felix/AP

Zelaya volta a Honduras e se refugia em embaixada brasileira

Segundo ministro Celso Amorim, presidente deposto chegou a representação diplomática por meios próprios

Efe, AP e Agência Estado,

21 de setembro de 2009 | 14h26

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, retornou nesta segunda-feira, 21 ao país. Ele está refugiado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa, confirmaram fontes da missão brasileira à Agência Estado.  Em Nova York, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, confirmou que ele chegou ao local por meios próprios.

Veja também: 

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno do presidente deposto

som Eldorado: Ouça entrevista de Zelaya à TV Telesur

A mulher de Zelaya disse que o marido está bem  e pronto para iniciar o diálogo para resolver a crise. "Agradeço ao presidente Lula por permitir a entrada dele na embaixada", afirmou Xiomara Castro.

Da embaixada brasileira, Zelaya pediu que seus seguidores se acerquem da representação diplomática.

Na sede da representação brasileira, Zelaya disse a jornalistas que retornou a Honduras para dialogar e desenhar um caminho de retorno à paz e à tranquilidade.

 

Mais cedo, o líder deposto havia afirmado em entrevista por telefone que voltou ao país e pediu por um "diálogo nacional e internacional". "Não posso dar mais detalhes, mas já estou aqui", disse Zelaya ao canal 36 da televisão local.  Anteriormente, a chanceler do governo de Zelaya, Patricia Rodas, havia dito que ele estava na sede das Nações Unidas (ONU) na capital, embora o escritório da ONU na cidade houvesse negado a informação.

 

OEA convoca reunião

 

A Organização dos Estados Americanos (OEA) convocou uma reunião de emergência para o final da tarde de hoje. O secretário-geral do órgão, José Miguel Inzulza, disse que o encontro visa debater a volta de Zelaya ao país. O diplomata disse ainda que o governo de facto deve garantir a integridade física do governo deposto.

 

"Queremos pedir calma aos envolvidos neste processo, e assinalar às autoridades do governo de facto que devem se fazer responsáveis pela segurança do presidente Zelaya e da embaixada do Brasil", afirmou Insulza em comunicado. Inzulza disse ainda que está a caminho de Honduras.

 

EUA pedem calma

 

O porta-voz do departamento de Estado dos EUA, Ian Kelly, garantiu que Zelaya está em Honduras e pediu calma a ambos os lados da disputa política. "Creio que no momento tudo que se pode dizer é reiterar nosso pedido diário para que ambas as partes desistam de ações que tenham um desenlace violento", disse.  A embaixada americana no país centro-americano está buscando mais detalhes sobre o caso.

 

O porta-voz não falou sobre a situação legal de Zelaya em Honduras e, segundo disse, isso depende do "regime de fato em Tegucigalpa". "Certamente nós achamos que Zelaya é o líder constitucional e

democrático de Honduras", reiterou Ian Kelly.

 

Chávez exalta Zelaya

 

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, também confirmou o retorno de Zelaya. "Informo que o presidente Zelaya, viajando durante dois dias por terra, cruzando montanhas, rios, arriscando sua vida, com apenas quatro companheiros, conseguiu chegar à capital de Honduras e está em Tegucigalpa", afirmou.

 

"Exigimos aos golpistas que respeitam a vida do presidente, que entreguem o poder pacificamente", acrescentou o líder venezuelano, que vai entrar imediatamente em contato com outros governos da América Latina e de outras partes do mundo para ativar as iniciativas previstas para o retorno de Honduras à ordem constitucional e democrática.

 

Governo de facto nega

 

Antes da confirmação de que Zelaya estava na embaixada brasileira, o presidente de facto de Honduras, Roberto Micheletti, afirmou em entrevista coletiva que sua administração dispunha de "provas de que Zelaya não está em Honduras" e que o líder "está tranquilo em uma suíte de um hotel da Nicarágua". Segundo Micheletti, um jornalista local estaria fazendo "terrorismo midiático para provocar a população". Desde então, ele não voltou a público.

 

Zelaya foi deposto em um golpe militar em 28 de junho. Ele tentava aprovar um referendo para alterar a Constituição do país. Os oposicionistas afirmam que Zelaya buscava na verdade realizar alterações inconstitucionais para permanecer no poder. O presidente de facto do país, Roberto Micheletti, havia dito anteriormente que Zelaya não poderia voltar ao país, ou seria processado. O governo interino não obteve reconhecimento internacional.

 

Atualizada às 17h23 para acréscimo de informações.

 

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasManuel Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.