Al Gore anuncia apoio a Obama

Ex-vice de Bill Clinton havia se mantido neutro; candidato democrata também contrata ex-diretora de Hillary

Efe e Ansa,

16 de junho de 2008 | 17h35

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos e Prêmio Nobel da Paz Al Gore anunciou seu apoio ao virtual candidato presidencial democrata, Barack Obama nesta segunda-feira, 16. Gore, que comunicou sua decisão em um e-mail enviado aos simpatizantes de Obama, deve tornar público seu respaldo em um comício de campanha que será realizado nesta segunda à noite em Michigan.   Veja também: Cubanos apostam em Obama para mudanças Possíveis vice-candidatos para Obama Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Até o momento, Gore - que foi vice de Bill Clinton entre 1993 e 2001- tinha se mantido neutro na campanha. Mas, agora que Obama praticamente assegurou a candidatura democrata frente a Hillary Clinton, Gore decidiu mostrar seu apoio público ao senador por Illinois.   "Em algumas horas subirei ao palanque em Detroit (Michigan) para anunciar meu apoio ao senador Barack Obama", assegura Al Gore na mensagem. "A partir de agora e até o dia das eleições, farei de tudo para garantir que Obama seja eleito presidente dos Estados Unidos."   Gore também foi candidato à Presidência em 2000, mas perdeu para George W. Bush. Na mensagem enviada nesta segunda, o ex-vice-presidente afirma que Obama conseguiu criar um movimento nos últimos um ano e meio de campanha, e pede a seus seguidores em seu site que façam doações à campanha do senador.   Contratação   Ainda nesta segunda, Obama contratou a ex-diretora da campanha eleitoral de Hillary Clinton, Patti Solis Doyle. Patti, que deixou a campanha de Hillary em fevereiro passado, será responsável por coordenar a equipe de Obama em sua campanha rumo à Presidência.   A contratação reforçou as suspeitas de um possível ingresso de Hillary como vice-presidente na chapa de Obama, com quem disputou a candidatura democrata à presidência.   Patti e Hillary são amigas há anos, mas não se falam desde que a senadora retirou Patti de sua campanha presidencial.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.