Al Gore e Schwarzenegger entram na campanha presidencial

Na reta final da disputa, partidos usam nomes de peso e prometem gastar milhões até o dia da votação

Agências internacionais,

31 de outubro de 2008 | 15h58

"Celebridade" pode ser uma expressão ruim para a disputa presidencial americana, mas na reta final da campanha pela Casa Branca, democratas e republicanos estão usando seus nomes políticos de maior peso. O candidato democrata, Barack Obama, participou de um comício com o ex-presidente Bill Clinton na quarta-feira e nesta sexta, 31, conta com o apoio do vencedor do Nobel da Paz e ex-vice-presidente Al gore. O senador John McCain participa de comício em Ohio ao lado do ator e governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger.   Veja também: Seria 'extraordinário' se EUA elegessem um negro, diz Lula 'Economist' declara apoio a Obama Obama amplia vantagem e tem 11 pontos sobre McCain Uma piscada que pode custar caro para Obama Enquete: Você votaria em McCain ou Obama?  Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Segundo o jornal The New York Times, as presenças ilustres na campanha entram em cena a quatro dias da votação, quando os candidatos avançam nos Estados cruciais na disputa de olho nos eleitores indecisos. Nesta sexta, Obama e McCain voltam a Iowa, Flórida, Indiana e Pensilvânia. Derrotado na recontagens dos votos, Gore volta ao Estado da Flórida - que lhe custou a eleição em 2000 - para participar de comícios democratas.   Em uma ousada decisão, Obama ampliou nesta sexta sua ofensiva televisiva em vários Estados considerados até agora solidamente republicanos, inclusive no Arizona, do qual McCain é senador. A campanha democrata, empregando os recordes de arrecadação inéditos e aproveitando a vantagem nas pesquisas, anunciou que fará novas propagandas nas emissoras de TV na Geórgia e na Dakota do Norte, dois Estados que até pouco tempo pareciam fiéis aos republicanos.   Em desvantagem nas pesquisas, McCain percorrerá sete Estados em um único dia na véspera da eleição americana, segundo afirmou o chefe de campanha do candidato republicano, Rick Davis. Mccain visitará sete cidades na segunda-feira, mas a lista dos destinos ainda não foi finalizada. Os republicanos ainda planejam gastar mais de US$ 10 milhões nos últimos dias da campanha, afirmou.   Em duas entrevistas coletivas, cada campanha falou das expectativas para os próximos quatro dias da disputa. "Serão quatro dias ferozes", afirmou David Plouffe, estrategista de campanha da chapa democrata. Plouffe disse ainda que foi a corrida pela votação antecipada que fez com que o partido comprasse os espaços na televisão nos Estados republicanos.   A campanha republicana, pressionou nesta sexta de que suas pesquisas mostram que a disputa está mais acirrada do que mostram as sondagens públicas, que chegam a dar 11 pontos de vantagem para Obama. "Nós estamos testemunhando, acredito, provavelmente uma das maiores recuperações do que já vimos desde que McCain ganhou as primárias", afirmou Davis, lembrando que o candidato não era favorito.   McCain está em Ohio pelo segundo dia com o seu ônibus de campanha. No sábado, o republicano participará do programa humorístico Saturday Night Live, na rede NBC. O candidato republicano já se apresentou em outras oportunidades no programa de sátiras políticas. A mais recente pesquisa realizada pelo jornal The New York Times dá vantagem de 11 pontos ao democrata. McCain afirma que é normal perder nas pesquisas e que já superou as intenções de voto várias vezes no passado. "Temos uns quatro pontos de desvantagem, mas superaremos", afirmou. A nova sondagem reflete o aumento da rejeição sobre a escolha de Sarah Palin, governadora conservadora do Alasca que é a candidata a vice de McCain. Pelo menos 59% dos entrevistados disseram que é não é qualificada para o cargo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.