Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Americanos vão às ruas contra ataques dos EUA no Oriente Médio

Manifestantes anti-guerra de várias cidades do país criticaram decisão de Trump de enviar mais soldados à região

Reuters, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2020 | 21h03

WASHINGTON - Grupos de manifestantes foram às ruas de Washington e outras cidades dos Estados Unidos neste sábado para condenar o ataque aéreo ordenado pelo presidente Donald Trump no Iraque que matou o comandante militar iraniano Qassim Suleimani e a decisão de enviar ao menos 3 mil soldados para o Oriente Médio.

Centenas de pessoas cantaram e pediram a retirada de tropas americanas do Oriente Médio em frente à Casa Branca e ao hotel de Trump, a alguns quarteirões dali. 

Protestos parecidos aconteceram em Nova York, Chicago e outras cidades. Em Washington, entre os manifestantes, estava a atriz Jane Fonda, que foi presa no ano passado algumas vezes em atos que pediam ações contra o aquecimento global.

"Os mais jovens precisam saber que todas as guerras desde que eles nasceram foram lutadas por causa de petróleo", disse a Fonda para a multidão. "Nós não podemos perder mais vidas e matar pessoas e arruinar o meio ambiente por causa de petróleo", acrescentou.

Para Entender

Entenda a influência do general Suleimani no Irã e no Oriente Médio

Militar morto em ataque a mando dos Estados Unidos era uma das principais lideranças do país asiático

Pesquisas de opinião mostram que os americanos, de modo geral, se opõem a intervenções do país. Uma pesquisa feita pelo Conselho de Assuntos Globais de Chicago aponta que apenas 27% dos entrevistados acreditam que os EUA estão mais seguros com as intervenções militares internacionais. Quase metade dos perguntados afirmam que as ofensivas deixam o país menos seguro.

Neste sábado, Trump voltou a ameaçar os iranianos e disse que os EUA têm 52 alvos para bombardeio se o país resolver retaliar a morte de Suleimani. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.