Analistas desconfiam de plano econômico de Huckabee

O plano de Mike Huckabee, pré-candidato republicano à Presidência norte-americana, de eliminar todos os impostos sobre renda e substituí-los por uma taxa única sobre o consumo tem a simpatia do ator Chuck Norris, mas conta com o apoio de poucos analistas econômicos.   O ex-governador de Arkansas venceu as prévias em Iowa, que deram início ao processo de escolha dos candidatos às eleições em novembro para a Casa Branca.   O maior foco sobre Huckabee vem de seu conservadorismo, já que o candidato é pastor batista com uma conexão sólida com a influente base evangélica do partido.   Mas alguns de seus defensores têm sido atraídos por seu plano tributário populista, que prega o fim de todos os impostos sobre renda e folhas de pagamento. Esse é o ponto-chave de sua plataforma econômica.   Huckabee diz que o imposto sobre a renda taxa a produtividade, trava o crescimento econômico e afeta principalmente a classe média e as pequenas empresas. Analistas vêem um truque nisso.   "Para equilibrar as receitas federais atuais, a alíquota única teria que ser bastante alta --mais alta do que está sendo propagandeado", disse Rochard DeKaser, economista-chefe da National City Corp, em Cleveland.   "E a complicação é que ela encoraja a atividade econômica informal. As pessoas vão tentar cada vez mais enganar o sistema tributário com transações sob a mesa."   Analistas também vêem o imposto como regressivo --já que tem a mesma taxa independentemente de renda--, mesmo que o plano de Huckabee traga algumas isenções aos mais pobres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.