Anistia elogia Obama por compromisso pelo fim de Guantánamo

Organização de direitos humanos pede que novo presidente cumpra promessa nos primeiros 100 dias de governo

Efe,

17 de novembro de 2008 | 18h36

A Anistia Internacional (AI) elogiou nesta segunda-feira, 17, o compromisso reiterado pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, de fechar a prisão americana de Guantánamo, em Cuba, e pediu que faça isso em seus primeiros 100 dias na Casa Branca. Em comunicado, a organização de defesa dos direitos humanos pediu a Obama para demonstrar seu compromisso com a legislação internacional assinando uma ordem Executiva proibindo a tortura e os maus-tratos. Veja também:Principais desafios de ObamaNomes cotados para o gabinete de ObamaQuem são os eleitores de Obama   Trajetória de Obama  Cobertura completa das eleições nos EUA O democrata reiterou no domingo sua intenção de fechar a base de Guantánamo e de retirar as tropas do Iraque, em sua primeira entrevista na televisão - ao canal CBS - após vencer as eleições de 4 de novembro. "Disse de forma reiterada que planejo fechar Guantánamo e farei isso", afirmou ele durante a entrevista. "Disse reiteradamente que os EUA não torturam e vou me assegurar de que não torturamos." Em sua nota, a Anistia pede também que Obama apóie uma investigação independente sobre todos os aspectos das práticas de detenção e interrogação dos EUA na chamada "guerra contra o terror", e que garanta "transparência sobre as violações de direitos cometidas nesse contexto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.