Ao lado de Obama, Biden ataca Bush e fala em mudanças

Não podemos agüentar mais quatro anos de Bush e McCain, diz vice democrata, em seu 1.º discurso

Da Redação, estadao.com.br

23 de agosto de 2008 | 17h04

O candidato democrata à Presidência americana, Barack Obama, fez seu primeiro discurso ao lado do vice-presidente de sua chapa, Joe Biden, neste sábado, 23. Em Illinois, o democrata apresentou o vice como alguém que possui "coração e raízes na classe média" e destacou a experiência do senador em política externa. "Ele será um grande vice-presidente, que me ajudará a virar a página do outro partido que está em Washington", declarou Obama, referindo-se ao governo republicano.   Veja também: Obama traz especialista em política externa para sua chapa Perfil de Joe Biden Obama escolhe Biden como candidato a vice Obama x McCain Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    "Eu vi esse homem trabalhar. Posso dizer que ele está apto para essa campanha", acrescentou. "Biden me ajudará a enfrentar o problema do petróleo, da energia, e a criar novos empregos". "Ele trará um novo entendimento para a segurança americana", continuou Obama. "Biden é um homem que há 35 anos luta pela mudança de Washington, e conseguiu que Washington não o mudasse."  "Não podemos agüentar mais quatro anos de políticas iguais. Não podemos agüentar mais do mesmo. Eu não aceito isso para nossas crianças", afirmou o candidato democrata, ovacionado pela multidão de apoiadores. "Estou confiante de que podemos levar nosso país para uma nova direção."   Em seguida, Biden tomou o palanque, enquanto Obama assistia o pronunciamento sentado ao seu lado. Ele começou o discurso dizendo que sentia-se "orgulhoso de estar ao lado do próximo presidente da América". "Barack e eu viemos de lugares diferentes, mas dividimos a mesma história: a história do sonho americano", disse o senador.   "Essa não é época normal. Essa eleição não é normal. Não podemos manter essa nação por mais quatro anos do mesmo jeito. Não podemos aturar mais quatro anos de um governo que não fez nada pela crise imobiliária", declarou Biden.   O vice-candidato democrata atacou o candidato republicano John McCain citando uma polêmica entrevista na qual ele disse não saber quantas casas tem. "Você e eu não somos como McCain, que tem sete cozinhas", afirmou.   "Não podemos agüentar mais quatro anos dessa política energética, dessa política externa. Não podemos aturar mais quatro anos de Bush e McCain", continuou o senador.   "Essas são notícias ruins, mas também temos notícias boas. Temos uma incrível oportunidade de mudar a direção da América. Nós temos um líder, Barack Obama, em quem eu acredito", afirmou. "Em todo meu tempo no Senado, nunca vi Washington tão quebrada", explicou o vice-candidato, que foi eleito seis vezes senador.   "Esse tempo pede uma total mudança na Casa Branca. Eu conheço McCain por anos, ele tem uma coragem extraordinária. Mas não podemos mudar a América quando apoiamos as políticas de Bush", disse.   "Não podemos mudar a América cortando impostos das grandes companhias. Obama é um homem que eu tenho orgulho de dizer que é meu amigo", continuou Biden, enquanto o público gritava o lema da campanha de Obama - "sim, nós podemos."   "A campanha para presidente testa o caráter e a liderança, e Barack passou no teste. Ele tem a coragem para fazer desse país um lugar melhor", acrescentou o senador, destacando que ele e Obama dividem os mesmos valores. "Estou aqui pelo futuro de vocês, pelo futuro de seus filhos. Essa talvez é a última chance que teremos para reclamarmos a América que amamos. Eu sei que estou no lugar certo. Essa é a nossa vez", concluiu Biden.  

Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.